Um armário por dia

Você já passou por isso. É gay, começou a namorar com a pessoa mais linda do mundo e de repente é tomada por aquela vontade incontrolável de gritar aos sete ventos o quanto você está feliz e o quanto você está apaixonada e etc. Começa o processo doloroso de sair do armário.

O primeiro armário é a família, ou costuma ser. É aquele sentimento sem nome de ansiedade, insegurança e medo por não saber como será a reação exata das pessoas. Como prever se minha mãe vai chorar ou se meu pai vai querer me bater? Como prever se eles vão me expulsar de casa ou se vão me abraçar e me apoiar? Não importa a reação final, esse é o armário mais difícil de todos. E não importa a reação no final das contas, você vai sentir que tirou um peso das suas costas. Afinal de contas, as pessoas mais importantes do seu mundo já sabem.

Você pensa que nunca mais vai precisar passar por essa ansiedade louca de novo, mas logo na primeira semana descobre que não é verdade. Você precisa contar para os seus amigos. Por enquanto só os mais próximos mesmo. Mais um armário a ser arrombado. Mais ansiedade, insegurança e medo. Mais vontade de chorar e mais um dia sem comer. Neste processo perdem- se amigos e companheiros. Mas com o tempo você entender que se afasta por causa da sua sexualidade, nunca mereceu estar perto.

E todos os dias são novos armários a serem arrombados, abertos e destruídos. No trabalho, você precisa explicar aquela menina com você no fundo de tela do celular, na escola você precisa contar o que fez o fim de semana todo, nas ruas, você precisa encarar os olhares maldosos quando vocês andam de mãos dadas e na hora de viajar você precisa explicar que a cama no quarto deve ser de casal. E isso não acaba jamais.

Os armários do dia a dia são tão doloroso quanto qualquer outro. As reações são imprevisíveis e as pessoas também. Vai ter o dia que você vai sair do armário e a pessoa não vai reagir, porque não existe reação para o amor do outro. Vai ter o dia que alguém vai te olhar de cara feia e mudar as atitudes e você vai querer levantar da mesa, sacudir a pessoa e perguntar qual o problema dela com o amor. Vão ter dias que o armário vai parecer tão convidativo que é mais fácil se render ao escuro e pronto. E vão ter os dias, que são inesquecíveis, que você vai destruir o armário e lá fora vai estar te esperando um mundo muito mais justo, bonito e ensolarado. E você vai voltar a destruir um armário por dia certa de que um dia as pessoas não precisarão mais de armários para serem felizes.

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.