Cap 6 – Tudo em um dia só

Ela sorriu, terminou de falar com Dani, levantou direto pro banho, esse dia ia ser especial. Muito especial. Ela só não sabia o quanto ainda. O banho durou 10 minutos, ou 10 horas, não saberia dizer. Foram pensamentos e sensações percorrendo seu corpo, relembrando a noite/manhã que teve. Pensando na mensagem que veio depois, no que a Tati disse pra Dani. Era muito. Muita coisa para uma cabeça só confusa como estava a dela.
Saiu do chuveiro enrolada na toalha, o cabelo pingando, molhando o quarto todo como de costume, abriu o armário e pela primeira vez em um bom tempo ela teve dúvidas de que roupa iria vestir.

Dani tinha avisado no telefone que iam se encontrar na pracinha da cidade, aquele lugar onde todo mundo vai? Pois é! Só que elas tinham um cantinho especial. Passavam os bancos, sempre ocupados, a pista de skate cheia de meninos e meninas pra lá e pra cá, passavam os brinquedos das crianças, e depois de uma curva, um pouco atrás de umas árvores altas, tinham pedras que pareciam ter sido moldadas para sentar. Não era de todo escondido, dava para uma rua, do outro lado da praça, mas era sempre mais reservado, elas podiam falar o que quisessem e não teria ninguém por perto ouvindo.

Iam pra lá com um sonzinho, que ficava baixinho só de fundo, uma garrafa de uma bebida qualquer, chocolate e uma vez ou outra Dani surgia com um baseado, só pra relaxar e alegrar. Por incrível que pareça, elas eram inocentes, e encaravam isso tudo, como uma passagem obrigatória pela adolescencia!

Domingo era melhor ainda, a praça ficava ainda mais vazia do que o normal e elas sabiam que ninguém iria atrapalhar o momento.

Já eram 5 pras duas. Faltavam só 5 minutos para o horário que elas combinaram chegar. Beta ainda estava em casa, ansiosa, mas terminando de almocar com seus pais, o que eles praticamente tiveram que obrigar dessa vez, já que a filha quase não parava em casa! O relógio no pulso nunca recebeu tanta atenção, e finalmente o prato estava vazio e os pais a deixaram sair de casa sem mais fazer drama e chantagem que estavam com saudade.

A sensação era de que seus pés estavam correndo, sem que ela permitisse em direção a praça. E
realmente deviam estar, porque ela nunca tinha chegado tão rápido quanto dessa vez. E meio cansada até.
Atravessou a praça toda, quase que deserta, e quando chegou no lugar de sempre, tomou um susto, Tati e Dani já a esperavam. A primeira com uma cara de quem não estava entendendo muita coisa e a segunda com uma cara de quem entendia menos ainda. Beta paralisou.

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.