Rosa Dourada – Cap 9

Arrumei algumas coisinhas em uma mochila para levar para sua casa, não aguentava mais de ansiedade para toma-la de corpo e alma em meus braços, era meu primeiro sexo propriamente dito “GAY” e eu estava apreensiva, não fazia a mínima ideia de como seria ou se iria realmente acontecer esta noite.

Faltavam poucos minutos para que a hora tão esperada chegasse. Fui a pé para a casa da minha amada já que era meio perto da minha, como eu possuía um jeitinho galanteador e meio que sabia conquistar uma mulher aproveitei para comprar rosas para a Patrícia…

Faltavam poucos metros para a entrada da casa e eu estava com medo, me sentia feliz por dentro e preocupada por fora, enfim toquei a campainha e esperei.

Fui recebida com um beijo delicioso, entramos de mãos dadas como duas bobas apaixonadas… namoramos um pouco no sofá da sala até o momento em que ela reparou nas rosas que estava sendo esmagadas por nossos corpos.

-Nossa e essas rosas, amor? São pra mim?
-Era para ser rosas, mas só restou as pétalas e são para você!
-São lindas, me dá elas aqui, vou arrumar um local para elas.

Patrícia saiu corredor a dentro com o que tinha sobrado das flores, mal sabia eu que o destino pra elas ia ser maravilhoso… ao sair do local onde tinha levado as flores, ela veio correndo em minha direção me abraçou e me beijou dizendo que eu teria a melhor noite da minha vida.

As coisas já estavam saindo do controle e resolvemos ir pro seu quarto logo, meus olhos foram vendados durante todo o percurso, (vou confessar uma coisa a Patrícia era uma péssima guia rsrs) chegamos ao seu quarto, ela me sentou em sua cama e tirou a venda dos meus olhos… ela estava de pé em minha frente, quando me empurrou cuidadosamente para que eu ficasse deitada na came e veio pra cima de mim.

Seu beijo era avassalador e me fazia sentir totalmente livre e sem preocupações , ela começou a tirar a minha roupa e a me beijar por inteira, ela me sentiu um pouco tensa…

-Ei, por quê você está assim? Fiz algo de errado?
-Eu sou virgem, e não sei muito o que fazer.
-Sarah, não se preocupe… deixe comigo irei te guiar e não vou te machucar, ou seja, não vai doer.

Tiramos nossas roupas sem cerimônia e nada do tipo enquanto nos beijávamos, ela começou a me acariciar e fiquei com frio na barriga, era uma ótima sensação. Senti sua magia pulsando em minha frente, meu corpo era tomado por um prazer intenso que nunca tinha sentido, alegria e medo se juntaram dentro do meu peito onde meu coração não sabia o que havia acontecido, mas aquilo só podia ser paixão. Seu cheiro me deixava louca de prazer, amores se acenderam naquele momento… era mágico, meu corpo estremecia de tanto tesão.

Ela começou a beijar minhas cochas e a fazer um oral excepcional acompanhado de uma bela penetração, era minha vez de dar prazer ou “tentar”…dei o meu máximo, beijei seus seios com amor e delicadeza, seu corpo era todo meu e de mais ninguém fui descendo cada vez mais e dei o meu melhor no oral, como havia acontecido ela também gozou em minha boca… foi um sexo perfeito.

Dormimos de conchinha e nuas, afinal a casa era toda nossa…

sig_clara.png

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.