Rosa Dourada – Cap 7

Não passamos o intervalo juntas, apenas trocamos algumas mensagens… A aula já estava acabando e eu ainda não havia avisado ao Di que era para ele estar no final da aula na parte inferior da escada lateral, mas tudo deu certo quando lhe mandei um bilhete avisando. Faltava apenas um mísero minuto para que o sinal tocasse e a aula acabasse. Fui a primeira a chegar ao local marcado, alguns minutos depois chegaram juntos o Di e a Patrícia.

Como de costume eu e o Di nos abraçamos, em seguida abracei a Patrícia. Não foi um abraço igual ao que dei no Di, mas foi proveitoso rsrs, afinal não podíamos demonstrar nada ainda no momento.

-Sim, e o que estamos fazendo os três juntos aqui mesmo? – perguntei

-Oche!? Não posso passar alguns minutinhos com os meus únicos amigos mais não? -Disse a Patrícia indignada

-Sarah, você sabia que a bia vai sair da escola? – fiquei chocada quando o Di deu essa notícia

-Opa, opa, opa… quem é essa Bia dona Sarah?!!

– Patrícia, ela era a minha melhor amiga até alguns dias atrás.

-Pois é. – disse o Di – Na minha opinião, a amizade das duas acabou por bobagem.

Nossa conversa acabou aí, pois minha irmã já estava a minha espera para irmos pra casa, o Di deu carona para a Patrícia. Quando cheguei em casa mal consegui tocar na comida, me sentia muito triste ao lembrar que minha melhor amiga iria embora e até agora não tinha me dado nenhuma oportunidade de me redimir com a mesma.

Sei que vocês já devem está curiosas para saber o motivo que a nossa amizade foi por água a baixo, então vou contar a mesma história que contei naquela tarde para a Aninha e para a Patrícia já que também foi através dela que aconteceu meu primeiro beijo “lésbico”…

Tudo começou com uma brincadeira na qual a Bia levou muito a sério, conheci uma menina que morava à mais de 2.213 KM de distancia da minha cidade, seu nome era Júlia e começamos a nos falar através de telefonemas. Um certo dia ela falou que seu pai vinha a trabalho para minha cidade e que iria vir junta com ele. E que ela queria ficar comigo, já que eu vivia dando em cima dela… até o momento não tinha ficado com mulher alguma. Fiquei com medo do que poderia acontecer quando ela chegasse, falei sem pensar e disse que estava namorando e era com a Bia.

Não me perguntem como, mas no dia seguinte a Bia já estava sabendo de toda a história… foi nesse ponto onde nossa amizade começou a desmoronar, ela já não era como antes comigo seu comportamento tinha mudado completamente, não éramos mas a dupla infalível que existia desde o Infantil II.

A Júlia me ligou duas semanas depois e disse que já estava na minha cidade e queria me ver, desliguei o celular de imediato e me tranquei no quarto. Naquela hora meu mundo desmoronou e comecei a chorar desesperadamente, pois queria reverter toda aquela situação. Tudo não passava de uma mentira. Quando me senti um pouco mais tranquila resolvi contar tudo para a Bia pois não estava aguentando viver aquela mentira. Ela me olhou com cara de desprezo e disse que não queria me ver e que não falasse mais com ela. Terminou dizendo que nunca a colocasse novamente em minhas loucuras, fiz de tudo para ter seu perdão mas não consegui nada.

Saudade é o sentimento mais contraditório que existe, você lembra de bons momentos e se sente mal por isso. Me arrependo por ter destruído nossa amizade que as lembranças me maltratam, só que não mais me pergunto, aonde eu errei! Sinto saudades de coisas que nunca mais vão voltar, mas as lembranças vou levar por toda a minha vida. E se eu pudesse voltar no tempo eu voltaria, pois a pior traição vem daqueles que em que mais confiamos e não faria isso novamente com ela.

sig_clara.png

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.