Rosa dourada – Cap 42

Para quem não lembra onde paramos, é só clicar aqui.

A noite ganhou novos ares quando a Erica e o resto do pessoal chegaram. Quando os rapazes chegaram com as bebidas, seguimos em direção à casa da Kety, amiga minha que estava passando uns dias na cidade.

Foi muito bom tê-la reencontrado novamente, pois fazia muito tempo que não tínhamos a nossa galera reunida como antigamente. Rolava de tudo em nossos encontros “amigáveis”.

A casa era toda nossa, colocamos uma playlist bem agitada e começamos a beber e falar da vida. Relembramos bons momentos de desastres e felicidades. A Kety sempre tinha lembranças para compartilhar e novas histórias para contar.

– Silêncio, pessoal. Chegou a melhor hora da noite e já esvaziamos um bom número de garrafas. Vamos fazer uma roda, pois já está na hora do melhor jogo que existe. – A Kety falava com uma grande convicção e demonstrava querer ver “movimento” essa noite.

– Então gente… Eu começo.

Os comentários durante a primeira rodada era que o Di finalmente iria beijar alguma pessoa. Como era de se esperar, a garrafa apontou para o mesmo após quatro rodadas. Percebi que suas mãos começavam a soar e ele a se desesperar. Sua aflição já estava em seu ápice quando a campainha tocou para aliviá-lo.

Patrícia havia decidido aparecer e fazer a festa acontecer.

– Espero que não tenha aprontado nada.
– Não, amor. To de boa, sem sequer estou na brincadeira.
– Boa menina essa minha namorada linda. – Patrícia terminou sua fala com um rápido beijo. Forma que ela utilizava para demarcar território.

Nosso beijo terminou há tempo de ver no que daria. Se o Di ia ou não beijar a Luana. Como ele tinha vergonha, prometemos deixar os olhos fechados durante seu beijo. Eu, como não sou boba nem nada, resolvi não fechar e acabei vendo todo o beijo. Foi um beijo muito tímido e sem emoção. Pobre Di, se atrapalhou todo ao beijar a garota que gostava.

Eu e minha menina resolvemos ir para uma área mais reservada da casa, onde podíamos esbanjar felicidade e nos tornarmos um pouco mais livres.

– Ainda não estou acreditando no beijo do Di.
– Foi lindo, amor. Tímido, mais perfeito, me emocionei.
– Para de cena rsrs.
– Você tinha que ter visto, foi muito bonitinho.

sig_clara.png

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.