Rosa Dourada – Cap 2

Não sei por que, mais se eu continuasse convivendo com ela, um grande problema me surgiria. (O povo fala, e não se importam com a vida que estão prejudicando).

Eu nunca fui de me importar com o que o povo fala, ou seja, uma parte minha não estava nem aí, mas a outra estava; o orgulho é o que mata qualquer pessoa. Primeiro, eu queria a Patrícia apenas como amiga, não sentia aquela atração física por ela, e decidi que eu queria só a sua amizade.

Com o fim de semana se aproximando decidi mandar um SMS, como ela era nova no pedaço, eu queria deixá-la informada de tudo.

– Oi, tudo bem com você? Aqui é a Sarah, gostaria de saber se você já tem compromisso para este sábado.

– Oi Sarinha, sábado eu vou estar de bobeira… – Afirmou Patrícia.

– Vai ter uma festa, você quer ir comigo?

– Claro! Não vejo a hora de sair com você.

Essas últimas palavras me deixaram tensa, o que ela quis dizer com “Não vejo a hora de sair com você”? Será que ela pensa que é um encontro?! Ou era coisa da minha cabeça? Mas, deixa pra lá. Decidi ir tomar uma ducha para me refrescar enquanto refletia sobre os últimos acontecimentos da minha vida.

Após um belo de um banho, desci as escadas e fui ajudar a minha mãe com as compras. Socorro era o seu nome, mais todo mundo a chamava de Corrinha… Ela era técnica em enfermagem, gostava do que fazia e sempre foi a melhor mãe do mundo. Apesar de passarmos pouco tempo juntas, eu adorava dormir com ela, pode até parecer uma coisa melosa, mas eu adorava!! (De certa forma era o nosso único programa).

Minha vida sempre foi um pouco solitária, eu tinha varias amigas, só que eu preferia ficar em casa sozinha. Esta tarde eu resolvi ir para a casa da Erica. E como sempre fizemos uma mini sessão de fotos na casa dela, eu me achava feia, mas todas as pessoas que eu conheço me achavam bonita. Nesta tarde enquanto estávamos tirando fotos, ela me disse que chamou a Patrícia para ir passar a tarde com a gente. Fui surpreendida com essa notícia, afinal essa garota está mais na minha vida do que qualquer outra amiga minha.

O tema do momento era sexualidade. Fui estudar com um menino que sempre me ajudou na escola, seu nome era Dionísio. Antes da Patrícia aparecer eu gamava nele, porém ele me via apenas como amiga, o que fazia com que muitos questionassem sua sexualidade. Um dia resolvi o colocar contra a parede e tentar arrancar algo sobre seu gosto sexual. Era a hora do intervalo e como de costume ele saía por último da sala, então resolvi esperá-lo:

– Dionísio! Espere.- gritei.

– Oi Sarah! -Disse o garoto timidamente.

– Eu quero te namorar! – Falei rapidamente, não estava acreditando que disse aquilo de cara.

– Me desculpe não entendi.

– Você quer ser meu namorado?

Ele olhou pra mim, deu um sorriso e tentou ir, entretanto o agarrei pelo braço e repeti as mesmas palavras, foi aí que veio a resposta mais chocante em relação ao garoto.

– Eu sou assexuado.

É parece que ninguém acertou na sala o que ele era.

– Eu escolhi, não é uma opção sexual. Não sinto atração por sexo, mas sou hétero.

– Que pena, você daria um ótimo namorado.

– É, já me disseram! Agora se você não se importa vou lanchar.

Após essa conversa chamei Dionísio e o apresentei para Patrícia e passamos todos os nossos recreios juntos, um trio bem diferente.

Mas a festa estava chegando e decidi fazer diferente, eu só sairia daquela festa quando encontrasse alguma pessoa que me ajudasse a esquecer o fora que levei do Dionísio. Afinal não era para eu ter ido atrás dele, pois éramos amigos há bastante tempo!!

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Este post tem um comentário

  1. Aninha Roberto

    linda historia irmã!

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.