Rosa Dourada – Cap 12

Voltei para casa cedo, também o clima não se encontrava propício para qualquer tipo de intimidade entre nós duas. Ela não estava dando a mínima para mim, não podia fazer nada ou falar que Patrícia já vinha com raiva para meu lado. Eu não considerei bem uma briga entre nós duas, isso foi apenas um desentendimento nosso.

Eu, com esse meu jeito meio egoísta, apenas piorei a situação, ela era única para mim. Fiquei com vontade de ligar pedindo desculpas e dizer que não ia se repetir, mas pra que?! Eu não estava errada e erros se repetem sempre, afinal eles são inevitáveis para a existência das pessoas.

Me distraí, e acabei tirando tudo do pensamento, enfim, esvaziei minha cabeça por completo e acabei esquecendo dela. Casais vivem se desentendendo, não tem para onde correr não podia fazer nada. Estava tão cansada que acabei dormindo no sofá, também tive um dia muito exausto só poderia ser esse o que restava para o fim do dia.

Acordei ainda no sofá, olhei para o relógio e percebi que tinha perdido a noção do tempo e me atrasei para a escola. Meu celular havia descarregado e por isso não acordei no horário de sempre. Entrei na escola já no final da primeira aula, quando fui em direção ao meu local vi que a Patrícia estava com a pior cara que poderia existir. Fiquei na minha sem dirigir palavra alguma a ela até o momento do intervalo.

Esperamos todos saírem da classe para conversarmos, ela veio cheia de razão para cima de mim, falando “poucas e boas” na minha cara que cheguei a ficar sem reação e sem entender ao certo o que estava acontecendo. Não sabia qual a razão para toda aquela raiva.

– 20 ligações e mais 50 mensagens e nada de você responder! E ainda se diz ser carinhosa comigo, você não tem a mínima preocupação de me responder.
– Calma, calma, calma…. o que fiz de tanto errado assim? Meu telefone descarregou e não tive tempo de carregar ele depois.
– Sabe por que você não teve tempo?! Porque prefere gastar sua bateria com essas amiguinhas em vez de gastar comigo que sou sua namorada.
– A razão não é essa. O que te deu hoje? E eu não estava falando com amiguinha nenhuma, e além disso qual o problema de eu ter amigos?
– Todo tipo de problemas. Eu não gosto de te ver com essas “Patricinhas” metidas, e eu não tenho amigos e é por isso que você não pode ter!
– E a Erica? E o Dionísio? Eles não são os seus amigos?
– Amigos meus?! Jamais, eu até suporto eles e suas brincadeirinhas bestas, mas não são meus amigos.
– Não posso fazer nada, só que você não tem direito de ficar chateada com eles, afinal eles não tem nada a ver com tudo isso.
– Pra mim tanto faz, só quero que você volte a ser a pessoa que era antes comigo.

O sinal tocou e a aula recomeçou. Não nos falamos mais. Eu não fiz nada, e nem sabia o real motivo para a discussão então resolvi ficar na minha sem dar a mínima pra ela. Eu não estava errada, já ela estava sendo egoísta demais. Eu não podia fazer nada que ela já ficava com raiva e no fundo queria saber qual o real motivo disso tudo.

sig_clara.png

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.