Querido diário – Becca & Vicky – Cap 7

20h- Casa de Vicky

– Boa noite – Disse Rebecca timidamente à Estela, mãe da Vicky.
– Boa noite? Eu disse para ficar longe da minha filha. Eu não quero você aqui.
– Sua filha me convidou – Disse Rebecca de maneira delicada.
– Ela não é a dona da casa (longa pausa). Eu li seu processo novamente e talvez seja melhor você cumprir a pena em regime fechado. Disse lentamente cada palavra.
– A senhora está me ameaçando? – Perguntou Rebecca.
– Eu te tirei lá e posso reaver a minha decisão a qualquer momento se achar necessário.
– Eu não entendo a sua preocupação, eu sou inofensiva – Disse Rebecca com firmeza.
– Mesmo assim, eu sei o que acontece lá no centro e posso te garantir que não é o tipo de vida da minha filha.
– Eu quero viver um novo começo. Eu tenho direito a um novo começo – Replicou Rebecca.
– Novo nome. Novo endereço. Mesmo destino. Você está ansiosa para voltar ao CR.
– Eu não quero voltar para lá. Eu não vou voltar para lá, eu juro – Disse Rebecca emocionada.
– Você é impetuosa. É pelo jeito não é muito esperta – Disse Estela modo agressivo.
– E a senhora é covarde – Disse Rebecca com a voz trêmula.
– Olhe ao seu redor, este palácio e tudo dentro dele me pertence – Disse Estela com convicção.
– Eu entendi. – disse Rebecca após uma longa pausa. – Ela sabe que é adotada?
– Camila não é adotada – Respondeu imediatamente. – De onde você tirou esta ideia estúpida?
– Uma pessoa tão amável e generosa como sua “filha” não pode ter sido gerada por alguém tão mesquinha como você. Ela disse passe o natal conosco, minha mãe é generosa.
– Eu sei tudo que acontece lá no centro de ressocialização (CR) – Disse Estela.
– Tudo? – Perguntou Rebecca surpresa.
– Tudo, os “namoros” entre meninas – Disse Estela com desdém.
– A senhora sabe mesmo tudo que acontece no CR, então deve saber sobre os abusos físicos, sexuais, emocionais constantes. Deve saber sobre a comercialização e consumo de bebidas alcoólicas e drogas, incentivados pelos adultos que deveriam cuidar do CR. Deve saber também sobre a escassez de alimentos, nos obrigavam a comer direto do chão. Deve saber sobre as torturas intermináveis, sumiços e mortes inexplicáveis. Isto é saber tudo.

Lágrimas verteram dos seus olhos e sua voz ficou trêmula. Rebecca disse calmante cada palavra como se tivesse esperado a vida inteira para dizer tudo aquilo. Estela tentou interromper diversas vezes, Rebecca não se calou.

– Um dia nós vamos crescer e vamos contar tudo, quando saímos do CR nos agarramos às oportunidades que surgem, e ficamos engessados com todas as normas e regras daquele maldito lugar. Sabe o que eu descobri? que 80% dos que saem do CR retornam em menos de um mês, 15% se suicidam e apenas 5% sobrevivem e não voltam para lá.

Estela respirou fundo.

– Acusações infundadas. Eu quero que saia da minha casa – Disse Estela com rispidez.

Rebecca secou as lagrimas, andou lentamente até a porta principal, no exato momento em que Vicky entrou correndo pela porta sorrindo seguida por três adolescentes, que correram até o andar superior.

– Oi, que bom que você veio – Vicky olhou para a mãe. – Eu a convidei para o meu aniversario.

Disse Vicky sorrindo ofegante.

sig_pimenta

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Este post tem um comentário

  1. Luciana Santos

    Bem emocional.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.