O Amor, Simplesmente – Cap 99

– Código vermelho. Porta detrás. Preciso subir
– Anh?
– Você entendeu, Tati. Anda logo.

Código vermelho era tudo aquilo que Tati e Dani consideravam que não poderiam resolver sozinhas, que precisavam da ajuda da amiga. Fazia tempos que elas não usavam essa tática, mas naquela tarde de sexta, Dani precisava da máfia para desabafar.

– Mãe, a Dani ta aqui ta?
– Ok, filha! Querem que eu faça alguma coisa para vocês?
– Não precisa, obrigada!

Tati desceu as escadas em uma velocidade surpreendente e foi correndo até a porta detrás, que dava para o quintal. Dani estava de costas para a porta, esperando a amiga. E assim que Tati abriu a porta, Dani pulou em seu pescoço e a abraçou apertado.

– Você está proibida de brigar comigo.

E com esta frase, Dani passou na frente da amiga, subiu as escadas e entrou no quarto de Tati. Já tinham intimidade suficiente para isso e Dani não queria correr o risco de ser parada em uma conversa com D. Ana sobre pão de queijo ou bolo de chocolate.

– O que houve? Código vermelho é grave.
– Primeiro problema é você brigada comigo, segundo problema é a Nandinha tendo aulas com a Estella e terceiro problema é que briguei feio com a Estella.
– Eu sabia, Dani! Esse caso com a professora não ia dar certo nunca.
– Para com isso, amiga. A culpa foi minha.
– Ai meu Deus. O que você fez?
– Contei da nossa viagem, aí ela ficou com ciúmes e aí eu disse que não éramos nada demais para ela ter ciúmes. Fui um pouco mais delicada, mas foi isso.

Tati não se aguentou e depois de passar alguns minutos caminhando de um lado ao outro do quarto, parou, olhou para Dani sentada na ponta de sua cama e caiu em uma gargalhada inesperada.

– Você tá maluca?
– O que?
– Até eu sei que não se deve falar essas coisas para mulheres.
– Desde quando você é super entendida de mulheres?
– Desde quando eu sou uma, espertinha.
– Ok então, super-entendida-de-mulheres. O que faço agora?
– Me dá seu celular.
– To ferrada.
– Confia em mim.

Dani deu o aparelho na mão da amiga, que digitou durante um tempo depois devolveu o celular. As duas ficaram em silêncio e apenas se olharam. Passaram exatos 1 minuto e 20 segundos e chegou uma mensagem de Estella para Dani: tudo bem, criança. Curta sua viagem e nos vemos e nos resolvemos na segunda.

– Como você fez isso?
– Falei, ou melhor, escrevi, o que ela queria ouvir ou ler…
– Melhor amiga do universo sabia?
– Desculpa a confusão hoje. Eu acho que fiquei com ciúmes de estar perdendo minha melhor amiga. A Di não era uma ameaça, afinal de contas, ela não morava tão perto né.
– Você nunca vai me perder. Nem que você queira muito.

Tati e Dani se abraçaram apertados de uma maneira que não se abraçavam fazia um tempo e justamente nessa hora a porta do quarto se abriu.

– Preciso ficar com ciúmes?
– Beta, o que você está fazendo aqui?
– Antes de chegar aqui e depois de te ligar, chamei o nosso terceiro elemento.
– Feliz em me ver, amor?
– Sempre!
– Então, temos dois problemas para resolver: Nandinha e o fim de semana.
– Vamos começar pela Nandinha?

As três sentaram no chão. Beta e Tati estavam lado a lado encostadas na cama e Dani na frente delas. Estavam discutindo os reais perigos da presença de Nandinha perto de Estella. A preocupação era que a menina descobrisse do caso de Estella e Dani e espalhasse para todo mundo, ou pior, chantageasse elas. Dani já avisou logo que tinha contado toda a história para Estella e dessa forma acabou alertando a professora para possíveis indiretas e investidas da menina. E, além do mais, Estella era a primeira que deveria ter todo o cuidado do mundo, afinal de contas o emprego em risco era o dela, de novo.

– Ok. Agora a melhor parte.
– Vamos planejar o fim de semana?
– Eu já tenho quase tudo pronto – Beta tirou um pequeno papel do bolso
– A minha namorada é realmente perfeita – Tati completou dando um beijo na companheira.
– Darei cinco minutos pra vocês enquanto vou ao banheiro.

Dani entrou no banheiro e correu para o celular. Queria ver a mensagem que Tati tinha enviado em seu nome: desculpe por hoje. Acho que ainda não me acostumei com esse sentimento que me invade quando te vejo. Quero conversar e acertar as coisas, por favor?

Por um momento, Dani teve vontade de desmentir tudo aquilo. Mas pensou duas vezes e não era tão mentira assim, tinha lá seu fundo de verdade na história. Estava extremamente envolvida e só pensava em Estella. No meio da divagação, durante seu xixi, o celular tocou e o sorriso rapidamente se abriu. Será que era Estella?

Parece que vamos nos ver, né? To com saudades da minha gostosa. Beijos da sua Di.

Di a estava esperando. E agora? Será que seu coração iria se balançar mais uma vez?

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.