O Amor, Simplesmente – Cap 79

– Para começar, ela é gay. E isso é só o começo.

Beta soltou a bomba no meio das duas e ficou em silêncio, esperando a reação, analisando as expressões. Tinha plena noção da gravidade da frase que acabou de falar. Respirou fundo e quando ia continuar, Dani finalmente falou:

– Gente, quero ela pra mim agora.

O comentário de Dani foi suficiente para fazer as outras duas gargalharem. A menina ainda repetiu que tinha sentido uma atração absurda por Estella, principalmente pela sua demonstração de poder. Tati a lembrou de uma certa namorada:

– Deixa só a Di ficar sabendo disso!
– Calma, meninas. Só disse que ela me atraiu, não que eu iria jogar meu charme para cima dela.

A humildade de Dani arrancou mais risos e gargalhadas do casal. Mas Tati queria mesmo saber era o resto da história.

– Beta, não to me aguentando de curiosidade, conta logo o resto.

Beta respirou, colocou as memórias em ordem e continuou falando.

– É o seguinte. Estella era professora na escola que eu estudava. Ela dava aula para o pessoal mais velho, ela nunca foi minha professora de fato. Tudo que sei são fofocas que escutava na época. Ela era uma professora super boazinha, do tipo que não brigava com ninguém e todo mundo fazia o que queria na aula dela.
– Nossa, nem parece que estamos falando da mesma mulher, não é mesmo? – Dani interrompeu e logo depois se calou quando Tati lançou seu olhar de “cala a boca quero ouvir o resto da historia”

Beta continuou:

– Bom, logicamente, ela era super sacaneada pelos alunos, principalmente por aquele grupinho malvado de sempre. Um dia, eles roubaram o celular dela e foram olhar as mensagens e tinha uma conversa super romântica, mas não o tinha o nome da pessoa, só o numero. Na hora que eles iam ligar para o tal número, a Estella tirou o celular da mão deles. Eles quase foram expulsos, pegaram apenas suspensão.

– Gente, mas que maldade. Será que essas coisas não vão acabar nunca? Isso me deixa tão revoltada. As pessoas não podem ser boas que sempre são sacaneadas e sempre se fodem. Por isso, às vezes prefiro ser a filha da puta da historia.

Tati aproveitou que Beta parou para respirar para comentar aquele momento da historia e quando sua raiva foi crescendo a namorada segurou sua mão, como que se estivesse passando tranquilidade para ela. Funcionou e então Beta continuou a história.

– Passaram umas duas semanas e o pessoal mais sem noção ficou quieto, apesar de sempre que podiam soltavam piadinhas sobre as mensagens românticas. Logicamente, em algumas horas a historia já tinha rodado toda a escola e todos especulavam sobre a professora boazinha e romântica. Boatos diziam que ela tinha um caso com o diretor. Antes fosse….

Beta parou mais uma vez para colocar as memórias em ordem e continuar a história. Dessa vez não houve interrupções.

– Algum tempo depois, pegaram novamente o celular dela e dessa vez anotaram o número de celular. Quando acabou a aula dela, ligaram para o tal número e o celular de uma das meninas da sala tocou. No início acharam ser coincidência e então mandaram mensagem e o celular da menina apitou.

Beta parou a história. Tati e Dani estavam boquiabertas. Estella, a professora carrasca era super boazinha, gay e tinha um caso com uma aluna. Tati não aguentou e implorou por uma continuação na história.

– O que eu sei a partir de agora são informações meio duvidosas, mas dizem que elas ainda continuaram juntas por um tempo. Estella pediu demissão para não precisar ser demitida, mudou de cidade e a menina também saiu do colégio.

Dani tinha uma dúvida muito pertinente:

– Como você descobriu que era ela naquele momento lá no recreio?
– A Estella tinha mania de lanchar com os alunos lá na outra escola, mas sempre passava super despercebida por mim. Diziam que era para ela ficar tomando conta da tal menina, ficar olhando de longe e muitos disseram depois que elas ficavam de risos e charmes no pátio do colégio. E ela era conhecida por nunca pegar moedas. Então, na hora que ela falou que não queria as moedas um estalo me veio à cabeça e eu lembrei.
– To em choque. Completamente. – Tati conseguiu expressar apenas essas palavras.
– Eu não sei como ela veio parar aqui, mas ela não era carrasca assim não.
– Isso é coisa de quem está traumatizada. O que acham de falarmos com ela? – Dani arriscou.
– Tenho medo. Se ela souber que eu sei da historia dela, pode ficar mais carrasca ainda.
– Concordo com a Beta, Dani. Acho melhor não falarmos nada.
– Vamos fazer o seguinte, se um dia surgir a oportunidade, falamos, ok?
– Combinado. – Tati e Beta responderam juntas.

A história tinha causado um efeito devastador em Dani. Ela começou a pensar demais em Estella e de menos em Di. Parecia que essa coisa de namoro à distância não funcionaria tão facilmente para a mais recente gay do local.

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.