O Amor, Simplesmente – Cap 66

Música vai, música vem. Dani e Di sumiram depois que entraram na boate, apareciam apenas de vez em quando, dançavam com as amigas e sumiam de novo, iam para algum canto se beijar mais um pouco. Aquelas duas eram fogo puro.

Má, Tati e Beta aproveitavam a pista vazia, por ser dia de semana, para esbanjar rebolado. Beta e Tati se esfregavam e grudavam os corpos suados ao som do hiphop americano que ecoava no som. Má se mantinha com o copo na mão cheio. Era seu companheiro noturno. As três trocavam olhares que se seguiam de sorrisos e gestos sutis. O álcool estava subindo muito rápido. Tomaram tequila, drink, cerveja, drink de novo e tequila mais uma vez. Tati cobrou os drinks da aposta e em troca pagou um drink para cada uma, como presente. Voltaram para a pista ainda mais enlouquecidas.

A noite avançava quando chegou o melhor momento, o dj de pop. Ele começou com todas as músicas do momento, algumas que elas ainda não conheciam e depois foi para as mais antigas. Todas as festas gls da cidade tinham uma música obrigatória. One, two, three da rainha Britney Spears. Nessa não poderia faltar. Os primeiros acordes começaram e as três pararam no meio da pista. É como se entendessem o recado e o que se passava na cabeça delas. Tati foi quem tomou a atitude. Virou para Beta, encaixou as pernas enquanto com o braço para trás pegava na mão de Má e a puxava. Má encaixou suas coxas nas pernas de Tati e respirou fundo seu perfume. No ritmo da música começaram a rebolar. Estavam em perfeita sintonia.

No auge da música Beta e Tati começaram a se beijar. Má ia se afastar do casal quando sentiu a mão de Tati em sua cintura a puxando de volta para elas. Má sabia o que isso significa e estava muito bêbada para medir conseqüências. Se aproximou novamente e beijou o pescoço de Tati. Na mesma hora Beta abriu os olhos enquanto beijava a namorada e deu de cara com os olhos de Má. Má fez uma cara de quem ia pedir desculpas e sem parar o beijo Beta passou o braço por Tati chegando a Má e a puxando para mais perto. Estava formado o trio dessa noite. Má começou a chupar levemente o pescoço de Tati que estava, literalmente, enlouquecendo no meio delas duas.

Enquanto as três se divertiam na pista, Di e Dani permaneciam sobreas, estavam em uma onda de se aproveitar. Estavam, por incrível que pareça, de romantismo. Não tinha nem chegado o momento do pop quando Di chamou Dani para um canto silencioso.

– Vamos para casa?

Dani achou estranho o convite e pensou que Di estivesse passando mal.

– Está tudo bem. Só queria ficar com você a sós. Podemos?

Não haveria táxi para cinco pessoas na hora que fossem embora mesmo, Dani mandou uma mensagem para Tati e junto com Di voltaram para o apartamento. Tinha uma chave escondida no vaso de planta que ficava perto da porta. O apartamento era só delas.

Dani estava nervosa e tensa. Sabia o que ia acontecer naquela noite e não pode deixar de pensar que era virgem, com mulher, e que não fazia ideia do que fazer durante a noite. Seu nervosismo era tanto que Di percebeu. Ao entrarem no apartamento a menina mais experiente fez tudo com muita calma. Colocou uma musica que vinha do seu celular, levou Dani para o quarto que era dela, a deitou na cama, calmamente e aos poucos fez tudo acontecer.

Tirou sua própria blusa, ficando de sutiã e calça, que já estava aberta. Tirou a blusa de Dani e foi, lentamente, para a calça dela. Foi quando Dani falou algo.

– Di, eu nunca fiz isso antes.
– Eu sei. Confia em mim, tá?

Não tinha como não confiar naquele pedaço de mau caminho deitado em cima dela. Dani assentiu com a cabeça de Di terminou de tirar sua calça, deixando ela de sutiã e calcinha deitada na cama. Antes de tomar outra atitude, Di levantou. Tirou a calça, a calcinha e o sutiã, ficando completamente nua antes de voltar para a cama. De certa forma, isso deixou Dani mais a vontade. O sexo foi delicioso. Dani nunca tinha sentido nada igual. E teve que concordar com Tati. O oral era sensacional. Foram mãos, línguas e suspiros e sensações que erma novidades para as duas. Di nunca tinha estado com uma menina tão carinhosa e ao mesmo tempo tão quente.

Dani sentia as mãos de Di percorrendo seu corpo acabando entre suas coxas já molhadas. Os dedos iam e vinham em um ritmo lento que acelerava no tempo certo. Suas pernas já estavam sem forças quando atingia o nível máximo de prazer. Era a vez dela ficar por cima. As duas revezavam as posições para satisfazer todos suas necessidades. Foram inúmeros orgasmos trocados de todas as formas. Gozaram separadas, juntas e como mais fosse possível. Gozaram tanto que apagaram ainda nuas, abraçadas na cama.

Lembraram de fechar a porta para que não houvesse surpresa desagradável.
Não que isso fosse acontecer, porque o trio chegou pensando em outra coisa. Quando Beta abriu a porta, Tati já abria sua calça e a beijava sem desgrudar. Má estava abraçada em Tati por trás alisando seus seios por cima da blusa e beijando seu pescoço. As três estavam pegando fogo. Beta lembrou da noite que tivera com Tati e preferiu deixar para se despirem no quarto.

As três caminharam pelo corredor em silêncio, entraram no quarto e trancaram a porta. Beta era a mais sobrea, Má e Tati estavam completamente loucas e foi só o tempo dela pedir um pouco de silêncio e Tati perguntou sem olhar para a namorada.

– Amor, a Má pode dormir com a gente hoje?

Tati estava de frente para Má, mas com a bunda colada no quadril de Beta a excitando.

– Amor, acho que não tem outra opção.

Beta conseguiu responder em meio a suspiros fundos de tesão.

– Não quero atrapalhar vocês, vocês têm certeza disso?

Má perguntou enquanto estava abraçada com Tati mordendo seu pescoço e abrindo a calça de Beta. Não houve resposta.

Beta ajudou Má a abrir sua calça, abraçou a namorada por trás abrindo a dela e depois abrindo a de Má. Enquanto isso as duas tiravam suas blusas. Deitaram na cama. Parece até que tinham ensaiado alguma coreografia, porque os corpos foram se encaixando perfeitamente. As três. Nenhuma das duas ainda tinha beijado Má, mas isso iria acontecer em algum momento.
Conflicting modification on 4 de setembro de 2013 00:03:55:Música vai, música vem. Dani e Di sumiram depois que entraram na boate, apareciam apenas de vez em quando, dançavam com as amigas e sumiam de novo, iam para algum canto se beijar mais um pouco. Aquelas duas eram fogo puro.

Má, Tati e Beta aproveitavam a pista vazia, por ser dia de semana, para esbanjar rebolado. Beta e Tati se esfregavam e grudavam os corpos suados ao som do hiphop americano que ecoava no som. Má se mantinha com o copo na mão cheio. Era seu companheiro noturno. As três trocavam olhares que se seguiam de sorrisos e gestos sutis. O álcool estava subindo muito rápido. Tomaram tequila, drink, cerveja, drink de novo e tequila mais uma vez. Tati cobrou os drinks da aposta e em troca pagou um drink para cada uma, como presente. Voltaram para a pista ainda mais enlouquecidas.

A noite avançava quando chegou o melhor momento, o dj de pop. Ele começou com todas as músicas do momento, algumas que elas ainda não conheciam e depois foi para as mais antigas. Todas as festas gls da cidade tinham uma música obrigatória. One, two, three da rainha Britney Spears. Nessa não poderia faltar. Os primeiros acordes começaram e as três pararam no meio da pista. É como se entendessem o recado e o que se passava na cabeça delas. Tati foi quem tomou a atitude. Virou para Beta, encaixou as pernas enquanto com o braço para trás pegava na mão de Má e a puxava. Má encaixou suas coxas nas pernas de Tati e respirou fundo seu perfume. No ritmo da música começaram a rebolar. Estavam em perfeita sintonia.

No auge da música Beta e Tati começaram a se beijar. Má ia se afastar do casal quando sentiu a mão de Tati em sua cintura a puxando de volta para elas. Má sabia o que isso significa e estava muito bêbada para medir conseqüências. Se aproximou novamente e beijou o pescoço de Tati. Na mesma hora Beta abriu os olhos enquanto beijava a namorada e deu de cara com os olhos de Má. Má fez uma cara de quem ia pedir desculpas e sem parar o beijo Beta passou o braço por Tati chegando a Má e a puxando para mais perto. Estava formado o trio dessa noite. Má começou a chupar levemente o pescoço de Tati que estava, literalmente, enlouquecendo no meio delas duas.

Enquanto as três se divertiam na pista, Di e Dani permaneciam sobreas, estavam em uma onda de se aproveitar. Estavam, por incrível que pareça, de romantismo. Não tinha nem chegado o momento do pop quando Di chamou Dani para um canto silencioso.

– Vamos para casa?

Dani achou estranho o convite e pensou que Di estivesse passando mal.

– Está tudo bem. Só queria ficar com você a sós. Podemos?

Não haveria táxi para cinco pessoas na hora que fossem embora mesmo, Dani mandou uma mensagem para Tati e junto com Di voltaram para o apartamento. Tinha uma chave escondida no vaso de planta que ficava perto da porta. O apartamento era só delas.

Dani estava nervosa e tensa. Sabia o que ia acontecer naquela noite e não pode deixar de pensar que era virgem, com mulher, e que não fazia ideia do que fazer durante a noite. Seu nervosismo era tanto que Di percebeu. Ao entrarem no apartamento a menina mais experiente fez tudo com muita calma. Colocou uma musica que vinha do seu celular, levou Dani para o quarto que era dela, a deitou na cama, calmamente e aos poucos fez tudo acontecer.

Tirou sua própria blusa, ficando de sutiã e calça, que já estava aberta. Tirou a blusa de Dani e foi, lentamente, para a calça dela. Foi quando Dani falou algo.

– Di, eu nunca fiz isso antes.
– Eu sei. Confia em mim, tá?

Não tinha como não confiar naquele pedaço de mau caminho deitado em cima dela. Dani assentiu com a cabeça de Di terminou de tirar sua calça, deixando ela de sutiã e calcinha deitada na cama. Antes de tomar outra atitude, Di levantou. Tirou a calça, a calcinha e o sutiã, ficando completamente nua antes de voltar para a cama. De certa forma, isso deixou Dani mais a vontade. O sexo foi delicioso. Dani nunca tinha sentido nada igual. E teve que concordar com Tati. O oral era sensacional. Foram mãos, línguas e suspiros e sensações que erma novidades para as duas. Di nunca tinha estado com uma menina tão carinhosa e ao mesmo tempo tão quente.

Dani sentia as mãos de Di percorrendo seu corpo acabando entre suas coxas já molhadas. Os dedos iam e vinham em um ritmo lento que acelerava no tempo certo. Suas pernas já estavam sem forças quando atingia o nível máximo de prazer. Era a vez dela ficar por cima. As duas revezavam as posições para satisfazer todos suas necessidades. Foram inúmeros orgasmos trocados de todas as formas. Gozaram separadas, juntas e como mais fosse possível. Gozaram tanto que apagaram ainda nuas, abraçadas na cama.

Lembraram de fechar a porta para que não houvesse surpresa desagradável. Não que isso fosse acontecer, porque o trio chegou pensando em outra coisa. Quando Beta abriu a porta, Tati já abria sua calça e a beijava sem desgrudar. Má estava abraçada em Tati por trás alisando seus seios por cima da blusa e beijando seu pescoço. As três estavam pegando fogo. Beta lembrou da noite que tivera com Tati e preferiu deixar para se despirem no quarto.

As três caminharam pelo corredor em silêncio, entraram no quarto e trancaram a porta. Beta era a mais sobrea, Má e Tati estavam completamente loucas e foi só o tempo dela pedir um pouco de silêncio e Tati perguntou sem olhar para a namorada.

– Amor, a Má pode dormir com a gente hoje?

Tati estava de frente para Má, mas com a bunda colada no quadril de Beta a excitando.

– Amor, acho que não tem outra opção.

Beta conseguiu responder em meio a suspiros fundos de tesão.

– Não quero atrapalhar vocês, vocês têm certeza disso?

Má perguntou enquanto estava abraçada com Tati mordendo seu pescoço e abrindo a calça de Beta. Não houve resposta.

Beta ajudou Má a abrir sua calça, abraçou a namorada por trás abrindo a dela e depois abrindo a de Má. Enquanto isso as duas tiravam suas blusas. Deitaram na cama. Parece até que tinham ensaiado alguma coreografia, porque os corpos foram se encaixando perfeitamente. As três. Nenhuma das duas ainda tinha beijado Má, mas isso iria acontecer em algum momento.

Com a semi luz que tinha no quarto Tati olhou para Beta quase que pedindo permissão para beijar Má. A menina não percebeu a troca de olhares do casal. Estava com as mão dentro da calcinha de Beta e os lábios grudados nos seios de Tati. Beta assentiu para sua namorada, mas antes sussurrou um te amo que só elas entenderam. Tati respondeu o te amo de sua namorada e puxou os cabelos de Má para si. Beta se mexeu e puxou a calcinha de Tati já engatando em um oral delicioso enquanto Tati beijava Má e tirava seu sutiã revezando os lábios entre os seios.

Tati estava deitada, Beta entre suas pernas a presenteando com o melhor oral do mundo. Má estava por cima de Tati deixando seus seios na boca de Tati. Tati por sua vez, beijava os bicos dos seios de Má enquanto seus dedos corriam por dentro de Má. O encaixe estava perfeito.

Revezaram para que todas tivessem os mesmo direitos. A melhor parte foi quando Beta e Má fizeram Tati se deitar e só elas faziam. Tati estava proibida de se mexer. Beta começou fazendo oral na namorada enquanto Má beijava Tati e acariciava seus seios. Antes que Tati gozasse trocaram de lugar. Má fazia o oral enquanto Beta beijava sua namorada e brincava com seus seios da forma que só ela sabia fazer. A sintonia das três estava perfeita.

O cansaço no final estava tão grande que Má dormiu com elas, realmente. As três nuas na cama. Beta e Tati abraçadas e Má deitada no canto. Como era no início de tudo.

Ninguém sabia como ia ser quando acordasse, mas deixariam para saber só no dia seguinte.

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.