O Amor, Simplesmente – Cap 65

Dani e Di esquentaram a sauna mais do que o termômetro era possível de acompanhar. Os beijos eram quentes e deixavam pouco tempo para se falar alguma coisa. Não precisava na verdade. As duas não aguentaram muito tempo a sauna e variavam indo para o chuveiro e para as espreguiçadeiras que ficavam em uma espécie de refugio. A posição era perfeita. Di deitada com Dani em cima. Corpos encaixados, bocas e línguas em perfeita sintonia.

Enquanto isso lá em cima, Tati, Beta e Má arrumavam a bagunça que dominava enquanto conversavam e preparavam algo para comer. Sabiam que as outras duas não subiriam tão cedo, e não tinha muito problema, só sairiam dali depois das dez da noite. Beta estava no quarto de sua mãe, que ela e Tati estavam usando, enquanto Má e Tati ficaram na cozinha. Tati aproveitou para conhecer mais da melhor amiga de sua namorada.

– A Beta disse que você tem uma namorada em SP, como é que vocês conseguem?
– A gente se ama muito. Pelo menos eu a amo muito. Admito que já tivemos melhores épocas.
– Vocês estão mal? Desculpa ter perguntado.
– Não não. Pode perguntar. Você é namorada da minha melhor amiga, o que faz de você minha amiga também.
– Bom, sendo assim, me conta. O que houve entre vocês? Brigaram?
– Nada muito específico não. Mas a vida está correndo para as duas em direções diferentes. E é difícil ver futuro dessa forma.
– Você a ama?
– Sim. Acho que sim.
– Quer ficar com ela?
– Quero sim.
– Então lute por isso e corra atrás. O amor costuma vencer.

Tati era uma eterna romantica e nada mudara isso. Nem mesmo as decepções, que não foram muitas. Má reparou no romantismo de Tati.

– Então foi assim que você conquistou a Beta?

Tati ficou vermelha na mesma hora.

– Assim como?
– Com esse romantismo todo.
– Acho que sim. – Tati respondeu meio sem graça, não esperava a pergunta.

Má percebeu, levantou da cadeira que estava e parou ao lado de Tati que estava na pia preparando um macarrão rápido.

– Eu fui muito com a sua cara. Cuida bem da Beta que seremos grandes amigas.

Na mesma hora Beta entrou na cozinha procurando pelas duas.

– Ouvi meu nome por aí?
– A Má estava garantindo que eu cuidasse de você, só isso.

Beta foi até Tati, a abraçou por trás enquanto olhava para Má e deu um beijo no ombro da namorada confirmando para a amiga o quanto as duas eram felizes. Em todos os sentidos, todos mesmo. Foi a deixa necessária para o assunto mudar de rumo: sexo.

– O pior do namoro a distancia é a falta de sexo. Estou subindo pelas paredes.

O assunto não deixava nenhuma das duas amigas envergonhadas, já Tati ficava mais calada mas estava se acostumando e acabou brincando e falando algumas besteiras também. Era bom.

O macarrão ficou pronto justamente na hora que Di e Dani chegaram. Ainda não era óbvio que elas tinham ficado, mas não demorou muito para Beta enxergar um enorme chupão no pescoço de Di e logicamente apontar para que as outras duas vissem também. Pronto. Aposta estava ganha e Tati iria ter dois drinks pagos pela namorada e por Má a noite. Por incrível que pareça Di ficou super envergonhada enquanto Dani levava na brincadeira e aproveitava para se soltar ainda mais com sua nova peguete.

Comeram, lavaram a louça e começaram os trabalhos. O dia já estava escuro quando abriram a primeira garrafa de vodka e acenderam o primeiro baseado. A garrafa estava na metade e a música já invadia o apartamento de uma ponta a outra. Tati e Beta dividiam seu tempo com Má, Dani e Di volta e meia se escondiam em um quanto qualquer para se pegarem loucamente.

Dani e Di iam tomar banho juntas, mas Dani ficou com medo e preferiu não. Má tomou banho no banheiro do quarto do casal enquanto as duas aproveitavam para namorar um pouco, decentemente, na cama de casal. Má não fez muita questão de fechar a porta. Só tinha mulher no apartamento e todas eram amigas ou comprometidas, não tinha com o que se preocupar. Enquanto se secava a porta estava entreaberta, o suficiente para Tati ver o corpo delineado da menina. Tati se perdeu em pensamentos vendo Má passar a toalha por seu corpo. Imaginou coisas que ela nunca tinha imaginado com outra pessoa a não ser Beta. E foi justamente a namorada que a tirou dos devaneios.

– Apreciando a Má? É para eu ficar com ciúmes?

Por incrível que pareça a voz de Beta estava com mais som de risos do que de ciúmes.

– Não não amor. Foi sem querer. Desculpa.

Tati quase se enfiou embaixo do travesseiro de tanta vergonha.

– Não precisa se desculpar. Ela é bonita mesmo, eu entendo.
– Vocês já ficaram?

Tati perguntou sem nenhuma maldade, apenas com uma pitada de curiosidade.

– Nós uma vez nos beijamos, foi assim que nos conhecemos. Mas foi apenas um beijo para ela fazer ciúmes em uma outra menina. Nada demais.
– E ela beija bem?
– Você está interessada na Má? – Beta estava com um sorriso malicioso nos lábios. Influência do álcool e da maconha.
– Interessada não, mas tive ideias pecaminosas com nós três.

A resposta de Tati deixou Beta estupefata. Sua namorada estava REALMENTE considerando um ménage.

– Quem está falando? A Tati ou a vodka?
– A Tati que teve coragem de falar por causa da vodka.

A resposta fez as duas rirem e rolarem pela cama, foi quando Má saiu do banheiro enrolada na toalha e quis entender a piada. Mais do que depressa Tati adiantou a resposta:

– Mais tarde você vai saber.

Ok, Beta ficou realmente assustada com a nova Tati que se mostrava. A mesma Tati que a puxava pelas mãos para o banheiro para tomarem banho, não sem antes perguntar a Má se tinha problema.

Agora foi a vez de Má apreciar pelo reflexo do espelho Tati e Beta tomando banho juntas. Era muita tensão sexual no ar do mesmo apartamento.

Dez e quarenta da noite. As cinco estavam entrando na boate depois de uma garrafa de vodka vazia em casa. A noite ainda nem tinha começado.

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.