O Amor Simplesmente – Cap 53

E começou a aplaudir Tati que meio sem graça procurou o apoiador e reconheceu nele o seu vizinho de muitos anos. Não demorou muito para todos estarem aplaudindo Tati. Menos Nandinha, que saiu chutando areia e decidiu que era hora de ir embora.

Era o momento das três. Todo o churrasco se virou para elas. Tati continuava de pé ainda absorvendo toda aquela adrenalina do momento. Beta e Dani estavam quase que escondidas atrás de Tati. Ela era a rocha naquele momento. Os aplausos cessaram conforme Nandinha se afastava ainda mais. Beta e Dani sentaram novamente no tronco onde estavam. Tati foi a última a ceder e sentar novamente. Aos poucos o luau foi retomando da onde tinha parado. Os grupinhos voltaram a se formar e os papos continuaram, mas dessa vez, o assunto era basicamente o mesmo em todos os cantos.

Não demorou para as primeiras meninas se aproximarem do nosso trio preferido. Elas meio que já esperavam, mas assim mesmo, era estranho.

– Tati. O que você falou para a Nandinha é verdade mesmo?
– É sim. Porque? – Tati ainda estava sob efeito da adrenalina e respondeu um pouco grossa.
– Nós adoramos. Podemos sentar aqui com vocês?

Beta tomou a frente e antes que Tati desse um fora nas meninas respondeu.

– Lógico meninas, sentem aí!

Eram duas meninas que estudavam na mesma turma do trio, mas eram tão apagadas quanto elas. Nesse momento um pouco mais apagadas já que o trio estava nos holofotes.

O papo não teve nada a ver sobre o relacionamento de Tati e Beta. Falaram de notas, professores, lembranças de outros anos e quando se deram conta a rodinha tinha aumentado. Já eram umas 10 meninas de turmas diferentes, mas todas estavam ali, quase que idolatrando Tati, não por ela ser gay, mas por ela ter enfrentado Nandinha com a sinceridade que só a raiva junto com um pouco de álcool permitia.

A roda se tornou a melhor dos churrascos e aos poucos até alguns meninos chegaram mais perto para ouvir as palhaçadas. O humor ácido e gosto de Dani passou a se destacar. As histórias de Beta da cidade grande com os comentários adicionais das outras duas amigas capturava a atenção das pessoas como um filme concorrente ao Oscar e a força de opinião de Tati fechava o ciclo tornando o trio a melhor coisa do último ano daquele colégio.

Eram quase 5 da manhã quando Beta, disfarçadamente, acendeu um baseado e passou para Dani enquanto Tati contava algumas coisas para as meninas. Em pouco tempo o cigarro passou na boca de vários fazendo com que ele acabasse bem rápido, mas foi o suficiente para deixar todos bem tranquilos e prontos para ver o nascer do sol, que ali na praia era lindo. Fizeram aquela coisa brega de aplaudir quando ela nascesse e quando ele já iluminava as águas, Dani se levantou, sem cerimonia alguma, tirou a roupa, dessa vez estavam de biquíni por baixo e correu para o mar sabendo que seria copiada em pouco tempo. Estava certa, muitas meninas e meninos seguiram o exemplo e em poucos minutos o mar estava banhado pela luz do sol nascendo e iluminando aquelas almas livres e alegres.

Beta e Tati ainda estavam na areia.

– Você foi sensacional hoje. Estava linda brigando com a Nandinha. – Beta estava com a frase engasgada o dia todo.
– Você me faz ficar assim. Eu te amo sabia?
– Eu te amo mais, sabia?

E com um beijo delicado selaram aquela nova fase que estava começando na vida delas. Tiraram a roupa e foram se juntar ao grupo que as esperava na água. Era o nosso trio favorito, espalhando o amor e mais uma vez abençoando com a água do mar.

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.