O Amor, Simplesmente – Cap 51

D. Ana se afastou sem olhar para trás enquanto Tati se arrumava no banco, Dani sentava ao lado dela e Beta no chão, de frente para a namorada. Era a hora de uma conversa entre as três. Nenhuma das três tinha planejado essa conversa, ainda mais naquele dia, depois de tantas coisas boas que tinham acontecido no resto do dia. Mas sabiam que era necessário. Dani revelou o que tinha atrás de si, o resto da garrafa de Martini e o final do baseado, achou que era necessário, acertou.

As três levantaram do banco e foram para a pedra de sempre, um pouco mais a frente. O silencio entre elas era irritante de tão profundo. Beta estava de cabeça baixa e nem sabia direito onde sentar, esperou as duas sentarem de frente uma para a outra e completou o trio, formando um triangulo. A base triangular que formavam, era isso que devia voltar a ser. Dani botou a garrafa e o baseado no meio e começou a falar.

– Precisamos nos entender. Nossas vidas estão extremamente entrelaçadas, não podemos ficar assim.

Tati continuou:

– Eu já conversei com vocês sobre o acontecido. E eu acreditei na sinceridade de vocês, mas o ciúmes é algo incontrolável.

Era a vez de Beta que falou com uma voz baixa e fina, com muito medo:

– E o que nós podemos fazer para melhorar isso?

Tati respirou. Dani também queria saber, estava difícil a distancia criada entre ela e as amigas. Depois de pensar, Tati respondeu, finalmente.

– Dani, qual foi o primeiro segredo que eu te contei?
– Que você não gostava do bolinho de carne que sua mãe fazia, mas comia para não deixar ela chateada.

As três riram. Um riso meio preso, sem se soltar muito. Ainda tinha muito medo entre aquelas três. Tati continuou.

– Beta, qual foi a primeira coisa que eu falei pra você na vida?

Beta engoliu em seco por ser chamada de “Beta” estava acostumada com os apelidos carinhosos da namorada, mas deixou esse detalhe para pensar depois.

– “Atrasada também?” Na porta da escola enquanto eu estava sentada nas escadas e você vinha vindo atrasada.
– Ela sempre chega atrasada, diz que gosta de uma entrada triunfal mas a verdade é que ela demora pra sair da cama. Ela só passou a chegar cedo quando você apareceu na nossa vida.

Dani complementou a brincadeira dos atrasos de Tati e as três riram novamente, dessa vez um pouco mais solto, mas ainda sem se encostarem. Tati abaixou a cabeça e deixou uma lágrima, que estava presa, correr pelo seu rosto.

– Eu não posso perder vocês. Não saberia viver sem meus dois amores. A que me ensinou o que é amizade e como não podemos viver sem ela e a que me ensinou o que é amar alguém de verdade. Agora eu preciso de um favor de vocês.
– Qualquer coisa. – Beta e Dani responderam juntas, já com os olhos embaçados das lágrimas que prometiam cair.
– Vamos à praia?

As duas riram, pularam da pedra, Dani com o martini e o baseado nas mãos. Beta com a mão esticada para ajudar a namorada a descer. Tati aceitou a ajuda e depois que jã estava no chão, não largou a mão de Beta. Dani que estava por perto foi puxada e Tati enroscou o braço nela. As três estavam ligadas, indo para a praia. O território delas.

Caminharam uns 15 minutos. Tati e Beta de mãos entrelaçadas com direito a carinhos entre os dedos e Tati de braço dado com Dani como amigas que nunca brigaram na vida. O caminho foi em silêncio, apenas quebrado por algumas topadas que Dani dava no chão. Ela ainda estava sob o efeito alcoolico e do baseado de mais cedo e fazia as outras duas morrerem de rir, sem desmontar a posição que estavam.

Quando chegaram na praia Tati assumiu o comando da situação. Mandou as duas sentarem na frente dela. Pediu a Dani que acendesse o baseado e passasse pra ela, pediu a Beta que abrisse a garrafa e a desse.

– Bom, a partir de hoje tudo mudará. Coisas aconteceram no passado, mas ficaram lá atrás mesmo. Estou aqui com uma garrafa de bebida e um resto de um baseado nas mãos. Coisas que nós três sempre compartilhamos, assim como o amor uma pela outra. Amores esses que são diferentes, mas são importantes e essenciais sempre. Para celebrar esse amor, a nossa amizade e o nosso futuro, proponho um brinde, da nossa maneira! Um gole, uma tragada.

E após o discurso, assim Tati fez. Deu um gole e uma tragada. Enquanto ela começava o brinde, Beta e Dani se levantavam. Beta pegou o baseado e Dani a garrafa, pegaram a parte delas e depois trocaram completando o brinde. O baseado acabou nas bocas de Dani e a garrafa nas bocas de Beta, como era a intenção de Tati. Agora as três voltaram a estar um pouco bebadas e um pouco altas. Tati então tirou os sapatos, desabotoou o short jeans que estava e começava a puxar a blusa quando Beta resolveu interromper.

– Amor, que isso?
– Vocês são os amores da minha vida, vocês tem a minha alma. Agora quero uma benção, para as três. Vamos! As três tirando a roupa!

Dani nem pensou duas vezes e começou a tirar a roupa! Ela e Tati tomavam banho juntas quando eram crianças, então não era uma novidade. Beta relutou um pouco, mas Tati a convenceu com um beijo nos lábios quentes e a promessa de que mais tarde agradeceria de maneira apropriada. Foi o suficiente.

As três, sem roupa, uma ao lado da outra, olhando para o mar. Deram as mãos e saíram correndo furando a mesma onda, juntas. Era a benção para tudo que tinha acontecido. Era a renovação que precisavam. Ficaram na água um bom tempo. Tati abraçou Dani e prometeu que nunca mais ia brigar com ela, que ela era a melhor amiga do mundo e isso não mudava. Depois nadou até os braços de Beta que a recebeu com o corpo quente de tesão. Afinal de contas sua namorada estava ali, nua, pulando em cima dela. Mas nada aconteceu. Tati enroscou as pernas na cintura de Beta e lhe deu um beijo com muita vontade, o que quase matou Beta. A abraçou apertado e sussurrou em seu ouvido que nunca tinha amado ninguém como ela e que tudo aquilo que aconteceu era medo perde-la. Que não saberia viver sem ela. Beta ia dizer o quanto a amava e o quanto tinha certeza que não iria embora nunca, mas Tati não quis ouvir. Deu mais um beijo quenta em Beta e a soltou, foi buscar Dani, assim as três curtiram um pouco mais do mar, saíram dele quando o sol já rasgava e iluminava o céu. Aliás, saíram correndo, porque começava a aparecer algumas pessoas na praia.

Elas estavam abençoadas e renovadas. Prontas para uma nova vida, das três juntas.

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.