O Amor, Simplesmente – Cap 46

20130320-195713.jpg

Dani em um impulso inexplicável se aproximou de Beta e lhe deu um selinho nos lábios, daqueles que você não se afasta depois. Daqueles que você olha nos olhos do outro esperando que ele repita a ação. E Beta beijou Dani de volta, mas dessa vez não foi um selinho. O beijo agora envolveu linguas, mãos e braços.

Não durou mais do que poucos segundos, foi o tempo que Beta demorou para cair a ficha do que estava fazendo, afastar Dani e levantar. Beta ficou de pé em um pulo e começou a andar em círculos com a mão na cabeça e as lágrimas já escorrendo. A areia afundava a cada passo mais pesado que ela dava. De sua boca saíam sons e murmúrios de lamentação.

Dani levantou com mais calma, começou a chorar em silêncio. Não só por ter magoado sua melhor amiga, mas também por ter feito isso perdendo uma outra grande amiga. E agora? O que ia acontecer? As duas choravam e não falavam uma com a outra. Ficavam apenas caminhando, como se a vida tivesse acabado ali.

Dani foi a primeira a emitir palavras que fizessem sentido

– Desculpa! Foi minha culpa, me perdoa Beta!
– A culpa foi das duas! Esse tipo de coisa não se faz sozinha!
– A Tati…ela não vai ace…
– Ela não precisa saber! – Beta estava em desespero e interrompeu Dani antes que ela terminasse de falar.

Dani entendeu o que Beta estava falando, mas ela não concordava!

– A gente vai mentir pra ela eternamente? Fingir que nada aconteceu?
– Mas nada aconteceu Dani! Isso foi um erro! Eu te amo, mas como amiga! E só! A Tati é a mulher da minha vida, eu não posso ficar sem ela, não posso! Não consigo…

As lágrimas rolaram pelo rosto de Beta enquanto ela se rendia a todo o peso do seu corpo e caía de joelhos na areia na frente de Dani que continuava parada sem reação. O sentimento que rondava aquele trio era muito intenso, tanto como amigas, como mulheres. A relação sempre pareceu ser a três e na verdade os sentimentos se confundem em momentos específicos da vida.

Dani se ajoelhou na frente de Beta e com as mãos nos ombros da amiga, falou bem baixinho:

– Eu nunca quis você dessa maneira! Você é minha amiga e veio para rechear nossas vidas de alegria! Eu nunca vi a Tati tão feliz como ela está com você e nunca foi minha intenção acabar com isso! Muito pelo contrário, apenas quis fazer parte, como amiga de vocês!
– O que a gente faz agora? Ela vai morrer quando souber disso!
– Você prefere seguir a vida mentindo? Lembrar sempre que você tem um segredo com a menina que você ama?
– Não! Mas tambem não quero perde-la, entende?
– Se o amor de vocês for verdadeiro, você não vai perde-la! Confia em mim!
– É tão dificil pensar assim…

O silêncio se apoiou em um abraço cúmplice molhado por lágrimas e pela chuva fina que começava a cair depois de um dia quente. Os pingos de água vindos do céu engrossaram marcando a areia e molhando aqueles dois corpos abraçados na praia. O abraço foi se desfazendo enquanto as duas voltavam a deitar na areia, agora molhada. Beta deixava as lágrimas correrem sem vergonha alguma, estava arrependida, triste e com medo. Dani olhava para os céus, procurando um sinal, uma direção ou um entendimento para tudo aquilo. A verdade é que tinha beijado Beta completamente consciente e tinha gostado muito.

O dia raiou por entre as gotas de chuva. Aquelas duas meninas levantaram da areia e com os sapatos na mão e os pés descalços começaram a se encaminhar para a rodoviária, precisavam voltar, mesmo que tudo estivesse desmoronando no caminho. O celular estava perdido nas bolsas e tinha sido esquecido pelas duas. No caminho para a rodoviária, Beta pegou o seu e foi surpreendida por uma mensagem de Tati na tela: “Já levantei, vou esperar vocês na rodoviária! To morrendo de saudades! Te amo!”

Foi o suficiente para as lágrimas voltarem! E não foi diferente durante todo o caminho em direção a cidade delas. Beta estava traumatizada! Não queria voltar tão cedo a sua cidade natal, sempre que iam, algo de ruim acontecia, ela não aguentava mais! Tomou a decisão de encarar as consequencias do erro, não ia mentir nem esconder nada. A merda já estava feita e espalhada, agora era aguentar o que vinha.

– Dani, posso te pedir uma coisa?
– Claro, pode falar!
– Deixa eu conversar primeiro com a Tati? Queria contar pra ela, quero que ela saiba da minha boca!
– Sem problemas, nada mais justo!

Foram as únicas palavras que trocaram durante toda a viagem.

Tati estava eufórica do lado de fora do ônibus quando viu Beta pela janela. A cara amarrada podia parecer sono e passou despercebido! As amigas deixaram todos saírem e ficaram por último. Dani levantou primeiro, esperou Beta, respiraram fundo e desceram, como quem desce para um julgamento onde sabe que vai perder.

Tati pulou no pescoço das duas e foi abraçada de volta! Mas tinha algo de diferente no ar, dava pra sentir, até mesmo quem passasse de longe podia sentir que tinha algo de diferente. O abraço a tres foi trocado por um abraço apertado de Tati em Beta seguido de um “Senti sua falta” sussurrado no ouvido por Tati, o que quase fez Beta chorar novamente, mas ela se segurou, ia ter muito o que chorar!

– E agora? Quero saber de todas as fofocas!
– Eu preciso ir em casa! Minha mae ja ja me liga! – Dani mentiu para deixar o casal a sós.
– Vamos lá pra casa? Aí te conto tudo! – Beta ofereceu já com o plano armado em sua mente.

As tres seguiram de volta pela estrada principal da cidadezinha até chegar no ponto onde se separavam. Dani foi para casa, foi so ela ficar de costas para o casal que deixou as lagrimas virem sem piedade.

Beta pegou a mao de sua namorada, ignorando possíveis olhares, queria, desde ja, mostrar o quanto se arrependia de tudo. Assim que chegaram na casa dela, ela deu um abraço na mae, tirou as roupas e subiram para seu quarto.

Tati esperou Beta fechar a porta e a puxou para a cama enquanto desabotoava a calca jeans da namorada. Tati estava com um fogo icontrolavel e sem nem pensar ja estava tirando a própria blusa. Beta nao a impediu. Fizeram um sexo cheio de saudades e gozaram juntas gemendo alto e suando no calor que fazia no quarto todo fechado.

Extasiadas e nuas, deitavam lado a lado com o sol iluminando o quarto.

– Tita, nos precisamos conversar.
– Eu sei! Meu coracao dizia que a gente ia conversar quando voce voltasse.

A primeira lagrima rolou pelos olhos de Beta, que respirou fundo e começou a escolher as palavras.

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Este post tem 3 comentários

  1. amanda silva

    Nossa esse capitulo ta foda , chorei :/ esperando proximo .

  2. Day

    Mas que diabos x_x como você termina assim? eu to curiosidade pura circulando nas veias T_T por favor, nas demora pra postar, to implorando kkkk please ( to com o coração na mão, meu deus #soudramatica)

    1. rsrsrsrsrs!! Ok, voce eh um pouco dramática!! Mas calma! Amanha mesmo ja deve ter post novo!! 😉

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.