O Amor, Simplesmente – Cap 101

A viagem não foi longa. Não tinha trânsito e elas estavam tão cansadas que dormiram a maior parte do tempo. Beta e Tati estavam em clima de romance, pareciam estar eternamente nos três primeiros meses de namoro, cada dia surgiam com um apelido novo, falavam com voz de criança quando estavam juntas e adoravam ficar andando de mãos dadas e abraçadas pela rua. Normalmente este tipo de casal se isola, não permite que ninguém mais participe da rotina, no caso delas, Dani nunca ficou de fora. A amiga era sempre a que ficava no meio, era como se o casal protegesse ela o tempo todo. Quando Di começou a se envolver com Dani, Beta correu para conversar com a amiga, disse que não ia deixar ela maltratar Dani, falou de um jeito carinhoso, mas passou o recado. Dani era uma espécie de filha do casal.

– Amiga, me cobre hoje? – Dani falou para Tati enquanto desciam as escadas do ônibus.
– Vai encontrar sua professora?
– Vou! Preciso muito falar com ela.
– Vai contar o que aconteceu?
– Vamos ver, ainda não sei direito

Tati tinha desistido de lutar contra o relacionamento de Dani e Estella, depois de tomar um esporro de Beta, resolveu apoiar a amiga e ficar do lado dela.

As três mães estavam esperando as meninas na rodoviária. Para desespero delas, estavam sentadas tomando um café juntas e conversando sobre coisas da vida. Ultimamente, D. Ana e D. Sara trocavam receitas e dicas para tudo, viraram grandes amigas. As duas chegaram a conclusão de que era mais fácil estarem unidas para que pudessem estar ao lado das filhas, caso algo acontecesse. E a mãe de Dani era sempre simpática com todas, era bem o estilo da filha mesmo.

Depois de se abraçarem e conversarem mais um pouco, as três saíram com suas respectivas mães em direção as suas respectivas casas.

– Mãe, vou dormir na Tati hoje, tá?
– De novo, Dani? Você não dorme mais em casa, não?
– É terceiro ano, mãe. Precisamos estudar algumas coisas e ela vai me ajudar
– Tá bom, mas amanhã, quero você em casa, entendeu?
– Depois da aula particular, venho direto
– Vou cobrar!

Dani mandou uma mensagem para Tati confirmando a história e agradecendo por ela ser a melhor amiga do mundo. Tati só riu e continuou contando para a mãe sobre o fim de semana, logicamente escondendo a parte do quanto tinha bebido, da maconha que tinha fumado e do sexo louco com Beta na cama do irmão.

Beta por outro lado, tinha uma política de sinceridade com a mãe que poucas pessoas entenderiam. Ela falou que reencontrou os amigos daquela época e que hoje em dia não consegue entender como andava com eles, falou que Di e Má continuam sendo as pessoas maravilhosas que eram e falou também que estava extremamente feliz por morarem ali. D. Sara quase chorou com as palavras da filha. Quando chegaram em casa, pediram pizza para todos.

Estella recebeu a mensagem de Dani e pulou de alegria em casa. Preparou tudo, jantar, vinho, cama, lingerie nova e incenso. Estava com saudades de sua menina e queria recebe-la da melhor forma possível. Queria mostrar que nenhum lugar era melhor do que aquele ali. A professora estava extremamente envolvida e mesmo sendo mais velha, na hora de se apaixonar, era pior que criança. Ela costumava dizer que era imatura sentimentalmente e que relacionamentos eram sempre muito complexos para a cabeça dela. Mas dessa vez, ela se entregou mesmo.

Toc toc. Era Dani batendo na porta de Estella de banho tomado, lingeria nova e perfume colocado.

– Está aberta. Entra e depois tranca, por favor! – Estella gritou lá de dentro para Dani

A menina abriu a porta e foi pega pelo cheiro de incenso que ela adorava. Sorriu. Virou de costas para a sala da casa enquanto trancava a porta e colocava os sapatos no canto, como fazia todas as vezes. De cabeça baixa virada para a parede, respirou fundo e repassou em sua mente tudo que tinha pensado em conversar com Estella. Sabia que estava envolvida, apaixonada, mas ao mesmo tempo lembrava do sorriso tão compreensivo de Di e isso apertava no peito. A menina da cidade grande já devia estar seguindo com a vida, afinal de contas, seria muita injustiça com ela. Dani respirou fundo e se preparou para encontrar Estella.

Virou de frente e viu a sua professora em um hobby de seda preta com um pijama justo por baixo vindo em sua direção. Os cabelos soltos balançavam no vento enquanto o sorriso recheava seu rosto com uma luz tão linda que parecia que o sol estava dentro da sala. Dani sentiu suas pernas fraquejarem e quase caiu. Seu coração disparou e parou ao mesmo tempo, os segundos se tornaram lentos e Estella, cada vez mais perto, era o ar que Dani precisava para respirar. Não falou nada, apenas a pegou pela cintura e a beijou com toda a saudade que parecia ter sentido.

– Isso tudo é saudade? – Estella falou quando conseguiu uma brecha no beijo de Dani
– Pode ser – Dani não queria dar o braço a torcer

Estella então pegou Dani no colo pela cintura e a levou para o quarto. Deitaram na cama e mataram as saudades que estavam.

Dani era apaixonada pela forma que Estella se entregava no sexo. Ela não tinha pudores nem vergonhas, falava o que queria e o que gostava, gemia e pedia mais, mesmo estando exausta. Quem via ela dando aula, não podia imaginar o furacão que ela se tornava na cama. Foram línguas, dedos, pernas e abraços encaixados de uma forma que nenhuma das duas nunca tinham experimentado. Era uma delícia ouvir o sorriso de Estella depois do orgasmo que ela dava em Dani.

– Estou ficando com fome – Dani sussurrou enquanto se recuperava do último orgasmo
– Tenho comida, você quer? – Estella falou enquanto se ajeitava ao lado da menina na cama, apoiada em um braço
– Posso dormir aqui com você? – Dani não tinha perguntado a Estella se podia, então preferiu garantir
– Eu não deixaria você ir embora mesmo…

Dani foi até Estella, a beijou com carinho, enroscou os dedos nos cachos soltos da professora e a deixou sem ar com o beijo que deu.

– Vamos para a cozinha comer, estou com fome e nós precisamos conversar – Dani falou as últimas palavras com uma voz diferente e Estella percebeu.

Sem falar nada, as duas levantaram, colocaram uma roupa qualquer, bem simples e foram para a pequena cozinha de Estella comer algo.

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.