Leve-me Para Sair –> documentário curta-metragem

Bom, esses dias (pra ser mais sincera, ontem a noite) encontrei nas minhas pesquisas pela intrenet um documentário curta-metragem chamado “Leve-me Para Sair” que fala sobre um retrato do jovem homossexual. O curta é bem legal e muito bem feito. Foi produzido pelo Coletivo Lumika e eu adorei.

No vídeo, eles fazem algumas perguntas chaves para os jovens que tem entre 16 e 18 anos e eu resolvi responder essas perguntas. Ninguém me pediu não, só gostei da ideia e respondendo a ela pensei em alguns detalhes meio complicados e convido voces a fazer o mesmo!! E quem quiser, depois manda nos comentários para gente conversar (ou por email se quiser também).

Bom, aí vão minhas respostas e lá embaixo tem o vídeo para você assistir! São 20 minutinhos só!

  • Qual a sua opção sexual?

Costumava dizer que eu era bissexual, já que sinto atração por homens e mulheres, mas a verdade é que a minha atração por homens é muito rara. Então diria que sou Gay com uma queda por homens as vezes! rsrsrsrs

  • Homossexual, Bicha, Lésbica, Gay, Veado?

(Essa pergunta se refere a como as pessoas preferem ser chamadas) Bom, na verdade eu não me importo com nomenclaturas, acho que o que importa realmente é a maneira como me chamam, o tom da voz, a pessoa, o contexto e etc. Mas se tiver que escolher, escolheria que me chamassem de Gay, é uma maneira mais geral e pra ser sincera eu gosto da palavra!

  • Ser gay, te define?

Eu respondi essa pergunta com enormes textos na minha cabeça, mas na verdade uma outra pergunta seria a minha resposta: ser hetero te define?
Eu sinceramente acho que quando você é Gay e assim se assume perante o mundo muitas coisas mudam, mas há muito mais em caráter, personalidade, humildade, humanidade, respeito e tantas outras características que te definem que essa passa a ser apenas mais uma no caminho. Sinceramente, acho que o grande preconceito surge no momento em que damos uma super valorizada na sexualidade da pessoa. Se o Gay fosse tratado igual ao Hetero e a sexualidade não fosse a “única” definição da pessoa, as coisas seriam mais fáceis. (Concordam?)

  • Leve-me pra sair.

A saída do armário. Bom, já contei minha historia algumas vezes. Na minha família a minha revelação não foi a pior coisa do mundo. Eu criei uma reação deles na minha cabeça mil vezes pior do que realmente foi, e acho que isso acontece bastante por aí. A verdade é que eu não apoio 100% a revelação para a família quando, claramente, não há condições. Analise a situação a sua volta e pense antes de tomar uma atitude que pode te deixar pior do que antes.

  • E o tal do Gaydar?

Uma coisa que é dita por uma das meninas é a questão dos padrões/estereótipos criados em volta dos homossexuais. Posso ser sincera, acho isso uma enorme besteira. Já fiquei com meninas que andavam de salto e vestidinho e com outras que usavam bermudão e blusa social. Quem cria os estereótipos são aqueles que querem criar padrões, e padrões são o primeiro pequeno passo para o preconceito. O tal do Gaydar vai funcionar de outra maneira, seja pelo olhar, sorriso ou alguma atitude mais indicativa, mas não porque a mulher está de cabelo cortado ou de short largo.

  • Voce tem medo?

Hoje meu maior medo é não ser feliz. Então não importa como, busque sua estrela, sua luz e sua felicidade. E se o caminho é difícil, respire fundo levante a cabeça e vamos em frente. A vida nunca disse que seria fácil mesmo! 😉

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.