<span class="entry-title-primary">Gaydar: não existe e é apenas uma forma de estereotipar</span> <span class="entry-subtitle">Pesquisa condena o conceito de gaydar e diz que aumenta o preconceito</span>

Gaydar: não existe e é apenas uma forma de estereotipar Pesquisa condena o conceito de gaydar e diz que aumenta o preconceito

O famoso “radar gay”, ou “gaydar”, em inglês, não passa de uma “forma perigosa de estereotipagem” —é o que diz um novo estudo publicado pela universidade de Wisconsin-Madison, nos EUA.

A suposta habilidade de perceber se uma pessoa é gay ou hétero apenas observando sua aparência ganhou uma aura científica em 2008, quando um estudo concluiu que voluntários podiam adivinhar a orientação sexual de outras pessoas apenas observando fotos.

O novo estudo desafia o chamado “mito do gaydar”, dizendo que ele não é exato e que seria na verdade uma forma perigosa de estereotipagem.

“Camuflar o preconceito de ‘gaydar’ o torna mais socialmente aceitável”, disse o professor William Cox, coordenador do estudo, ao “Daily Mail”.

ESTUDO DUVIDOSO

Cox e sua equipe questionaram a validade do estudo anterior, citando diferenças na resolução das fotos das pessoas gays e héteros.

As fotos dos gays e lésbicas, de acordo com o estudo dele, estavam em melhor definição do que as de héteros. O estudo foi repetido com fotos com a mesma qualidade, e os voluntários não conseguiram acertar quem era gay e quem era hétero.

Em outra parte do estudo, Cox e sua equipe manipularam o entendimento de três grupos de voluntários sobre o conceito de “gaydar”. O primeiro grupo ouviu que o “gaydar” é real, o segundo ouviu que é preconceito e o terceiro não recebeu nenhuma informação.

O grupo que foi levado a acreditar que “gaydar” é uma coisa real, estereotipou muito mais que os outros dois grupos, assumindo impressões como “ele é gay porque gosta de fazer compras”.

“Se você diz às pessoas que eles têm ‘gaydar’, você legitima o uso de estereótipos”, diz Cox. “Reconhecer a forma como um preconceito é ativado pode nos ajudar a superá-lo”, diz.

 

Fonte: Folha

Este post tem 2 comentários

  1. Gabriela Garcia

    Interessante, apesar de que eu sempre analisei o jeito da pessoa ao mesmo tempo, maaasss, não deixa de ser uma conceituação precipitada né? Acho que o pior não é vc imaginar que tal pessoa é ou não é. O pior é o que vc faz com o que vc acha.

  2. Graciela Rodrguez

    Interessante, nunca tinha analisado dessa forma, na minha opinião até faz sentido, mas eu acho que pra nós gays, o gaydar não é exatamente estereotipar, pq eu pelo menos não analiso só o exterior da pessoa, mas alguns indícios que ela dá, como uma olhada mais interessada ou algo assim. Gostaria de outras opinioes, pra eu analisar, pois achei interessante esse estudo.

Comente! ;)