Filme Americano – Cap 74

Filme Americano – Cap 74

Na enorme casa próxima a de Beca, Regina e Joguí conversavam na varanda. Regina explicou para Joguí todo o plano que tinha para separar as duas. Não falou no nome de Cami, apenas inventou que estava apaixonada por Nina, sabia que se falasse em Beca, Joguí não a ajudaria, e convenceu o menino que uma vez separadas, Beca estaria novamente disponível para ele. Joguí achou estranho aquela menina surgir do nada em sua porta querendo entregar Beca em seus braços novamente, mas só de pensar em tê-la de novo e fazer tudo certo dessa vez, Joguí ficou cego e acabou entrando no clima.

No quarto de Beca, ela e Nina estavam deitadas na cama, cobertas pelo edredom macio da menina enquanto conversavam sobre a vida e faziam planos para a semana. O campeonato estava chegando e elas tinham muito que treinar ainda, por mais que o time estivesse cheio de talentos, a sintonia entre elas era necessária para que ninguém conseguisse vence-las. Elas sabiam que boa parte do time jogava na mesma harmonia, mas Cami não era deste grupo e isso era sempre uma preocupação. As duas acabaram pegando no sono abraçadas enquanto discutiam formação tática.

Na segunda, logo pela manhã, Beca e Nina trocaram beijos e carinhos antes de levantarem da cama. Diogo já estava de pé e pronto para sair quando elas saíram do quarto para tomarem banho. O pai de Beca mandou elas se apressarem e disse que ia chegar antes no colégio para organizar as provas que ele havia feito durante o fim de semana. Elas comemoraram que teriam a casa só para elas e sabiam que chegariam atrasadas. Seguiram juntas para o chuveiro enquanto Diogo trancava a porta de casa.

– Be, nós vamos chegar atrasadas! – Nina falou enquanto Beca beijava seu pescoço esperando a água do chuveiro esquentar
– Se você quiser, eu posso parar agora – Beca falou enquanto escorregava sua mão por entre as coxas da namorada
– Você é um pedaço do mal caminho, sabia? – Nina virou de frente deixando a mão de Beca encontrar sua parte mais íntima
– Eu prometo que vai ser o mal caminho mais divertido que você já esteve…

As duas aproveitaram a água quente para acompanhar a temperatura dos corpos. Beijos, mãos e sussurros fizeram o banho rápido demorar mais do que o normal. Quando saíram do banheiro estavam atrasadas, completamente molhadas e satisfeitas. Afinal de contas, nada como um bom orgasmo no chuveiro para começar a semana, não é? Foram felizes da vida, de mãos dadas andando para o colégio. Sabiam que iam chegar atrasadas, mas resolveram curtir um pouco do tempo que tinham juntas.

Assim como previsto, chegaram e deram de cara com um colégio completamente vazio. Todos os alunos já estavam nas salas de aulas e alguns professores já até haviam começado as chamadas. A primeira aula de Beca era com o pai, Diogo, e ela sabia que não seria perdoada por chegar tão atrasada na aula, muito menos porque ele sabia que o motivo era que ela tinha ficado de namoro com Nina até mais tarde. Ela apenas esperava que ele não fizesse TANTO escândalo assim.

Ainda no início do corredor, Beca e Nina trocaram um beijo rápido e se despediram. As salas que frequentavam eram um pouco distantes, já que eram de séries diferentes. Beca bateu na porta de sua sala e deu graças a deus por seu pai ainda estar tirando dúvidas de alguns alunos antes de começar a aula. A algazarra ainda tomava conta e ela entrou discretamente no meio da bagunça, quase ninguém percebeu, só Carla, que sentava ao seu lado e seu pai, que a fulminou com o olhar.

– Já sabe que seu pai vai comer seu fígado hoje né? – Carla economizou no bom dia
– Eu sei, mas não tem problema, valeu a pena o atraso – o sorriso bobo de Beca entregava tudo
– Deixa eu adivinha, Nina dormiu na sua casa, não é? – Carla sorria junto ao ver a felicidade da amiga
– Ai, Carlinha, estou virando uma romântica igual a você – Beca implicou com a amiga
– Viu? Romantismo é bom! Agora eu só preciso encontrar alguém para ser romântico comigo
– Vi lá no nosso grupo de mensagens que você foi pra noitada com a Juca, não encontrou nada de bom por lá?
– Primeira vez que eu fui em uma festa gay, Beca! Fiquei maravilhada com tantas luzes, música boa e gente animada! Não quero outra vida agora

Beca ia responder dizendo para combinarem de saírem todas juntas, mas Diogo interrompeu a bagunça que se formava para começar a aula.

Na sala de Nina, o professor já havia começada a chamada quando ela chegou, mas ainda deu tempo de responder presença sob o olhar de todas que viram a porta se abrir após começar a aula. Inclusive Cami que não perdia a oportunidade de mostrar um risinho sarcástico para a ex-amiga e companheira de time. Nina sentiu sua pele arrepiar ao cruzar o seu olhar com o dela. Ela não era uma boa pessoa.

Regina e Joguí estavam na sala de Beca e ninguém percebeu que eles haviam sentado lado a lado no final da sala. Ninguém percebeu também que eles estavam passando bilhetinho um para o outro a aula toda. Na verdade, Diogo percebeu, mas a política de disciplina dele não permitia interromper a explicação por este tipo de coisa, ele costumava dizer que quem queria prestar atenção não podia ser prejudicado por quem não queria e que as consequências viriam durante as provas. Ele era amado pelos alunos, mas ao mesmo tempo, muitos tinham medo de suas provas.

Aula eterna, minutos eternos e nada do recreio. O pequeno intervalo que tinham no meio da manhã mal dava tempo de ir ao banheiro com calma, ainda mais que sempre estava com uma fila enorme, mas Carla e Beca resolveram se arriscar e voaram para o corredor. Da onde estavam, Beca viu que Nina havia ficado em sua sala terminando de copiar a matéria do quadro, ficou com medo de atrapalhar ainda mais a namorada e decidiu não ir lá falar com ela, apenas mandou uma mensagem fofa no celular. Ficou com Carla, Juca e Juliana, que haviam chegado depois, na fila do banheiro. Foi quando Cami chegou com sua turminha.

– Beca, preciso falar com você
– Pode falar, Cami – Beca estava de muito bom humor e não arrumaria briga
– Pensei em conversarmos com o técnico Negão para ele nos liberar do castigo dessa semana. Precisamos treinar com o time completo

Pela primeira vez, todas concordavam com o que Cami falava.

– Por mim, fechado. Conversamos com ele no recreio, pode ser? – Beca falou com a voz mansa, mas sem passar muita confiança.

Cami não respondeu nada, apenas balançou a cabeça, virou de costas e seguiu, junto com sua pequena turminha de acompanhantes. Juca, Juliana e Beca imediatamente viraram para o outro lado, mas Carla viu quando Regina acompanhou com os olhos toda a pequena e rápida conversa e depois seguiu Cami com os olhos.

– Eu hein… – Carla sussurrou involuntariamente ao presenciar a cena
– O que foi, lindinha? – Juca perguntou
– Nada não…tava em outro mundo aqui
– Que história é essa de lindinha? – Beca perguntou achando estranho o apelido
– Essas duas estão cheias de história agora, Beca! – Juliana falou rindo

As quatro começaram a falar sobre coisas que haviam acontecido no fim de semana de noitada de Juca e Carla, enquanto isso a fila para o banheiro andava e poucos minutos depois elas estavam de volta a sala de aula.

No recreio, Negão ficava em torno das quadras tomando conta de seus alunos e prestando atenção em potenciais atletas não descobertos pelo colégio. Ela já havia lançado alguns bons esportistas, inclusive medalhistas olímpicos. Foi quando Cami e Beca chegaram, junto as amigas perto dele.

– Técnico, nós queremos falar com você – Beca começou
– Não vou abrir mão do castigo – Negão foi logo falando
– Mas o time vai ficar fraco para o campeonato e vamos acabar fazendo feio – Cami complementou
– Sinto muito por vocês – ele era irredútivel
– Negão, pensa bem! Como vai ficar o nome da escola perante a cidade? – Joguí tinha se aproximado em silêncio e acabou intercedendo por elas
– Isso é um complô? – o técnico falou ao se ver cercado por todas elas
– Negão, na boa! Elas sofreram na semana passada já, agora precisam treinar juntas – Joguí falou novamente
– Cami e Beca vão ficar até mais tarde para treinar aeróbico na sexta, combinado?

As duas comemoraram a decisão de Negão e saíram para lados opostos. Joguí foi atrás de Beca e segurou seu braço devagar para que ela parasse.

– Que bom que você vai estar de volta na sexta! – ele falou um pouco sem graça
– Se está esperando que vou te agradecer, desista, afinal de contas, foi por sua culpa que fui suspensa – Beca não gritou, apenas falou com toda a indiferença que conseguiu colocar na voz
– Você nunca vai me perdoar? – Joguí parecia que ia chorar
– Não sei, Joguí, de verdade! Mas por enquanto, não!

Beca saiu andando e encontrou com as amigas que já estavam mais na frente. Nina agora tinha se reunido com elas e estava comemorando a decisão do técnico de deixar as duas voltarem para o treino de sexta. Abraçou a namorada e beijou seu rosto antes de seguirem para o lugar de sempre na arquibancada. De longe viu Regina chegando perto de Joguí e puxando conversa. Gostou menos ainda daquela menina, mas decidiu não falar nada. Não queria estragar o momento de filme americano de Beca.

Mari Veiga

Autora, escritora, um pouco louca e uma mente hiperativa que acha que pode mudar o mundo com suas palavras.

Comente! ;)