Filme americano – Cap 19

Filme americano – Cap 19

Cami não fez nenhuma gracinha durante o treino. Ela não queria correr o risco de entrar na lista negra do técnico Negão. Ele era conhecido por infernizar a vida dos alunos que não o respeitavam. Em compensação, depois do treino, no vestiário, Cami fez todo tipo de comentário possível para irritar Nina. Ela falava sozinha enquanto todas as outras nutriam uma vontade enorme de calar a boca dela no tapa, mas ninguém se moveu. Já tinham conversado no almoço e não deixariam que ela acabasse com a harmonia que tinham e além do mais, ela realmente jogava bem, o que tornava tudo bem mais difícil.

– Meninas, vocês já sabem da Nina, né? – parece que Cami jogaria a cartada final
– Cami, deixa de bobeira vai… – Beca se meteu antes que piorasse a situação
– Ué, eu acho que todo mundo aqui tem que saber que a Nina gosta de meninas e não de meninos – Cami continuou como se estivesse contando a maior novidade de todos os tempos
– Cami, todo mundo aqui já sabe e nós não ligamos para este tipo de coisa… – Carla, a mais calada de todos, respondeu agressivamente
– Uau. Você realmente convenceu a todas hein, Nina. Prometeu o que em troca, posso saber? – Cami fez gestos insinuando que Nina teria comprado as amigas
– Deixa de ser idiota, garota! – Beca partiu para cima de Cami decidida a calar a boca dela no tapa
– Beca! Não! – Nina chegou a tempo de segurar a amiga pela cintura
– Arrumou um pit bull só pra você, Nina? – Cami comentou antes de subir as escadas do vestiário
– Porque você me segurou? Eu ia acabar com ela! – Beca gritou enquanto Nina a soltava
– Ia acabar com ela? E depois? Ia perder a bolsa e se bobear seu pai ia perder o emprego! Tá louca? – Nina brigou com a amiga enquanto as outras acalmavam as duas
– Você tá certa….desculpa!

O fim de semana foi mais tranquilo do que a sexta. Beca e Joguí aproveitaram para jogar futebol com o pessoal do bairro na sexta a noite e foram obrigados por Diogo a passarem o fim de semana estudando. A semana de provas se aproximava e ele não queria ver nenhum dos dois com notas baixas por causa do futebol ou do namoro. Era do tipo paizão que nunca se cansava de cuidar da sua cria.

Base para capítulos-filme

– Be, posso te fazer uma pergunta? – Joguí aproveitou que Diogo saiu da sala
– Lógico! Mas aviso logo que não roubo as provas do meu pai – os dois riram com a piada
– Não é isso…é que…é sobre a Nina – Joguí conseguiu a atenção de Beca
– O que tem ela?
– Ela gosta de meninas, não é?
– É! Mas você já sabia disso…
– Eu sei…mas é que…você não tem medo de dividir vestiário com ela?
– Medo? É piada né?
– Ei, não me leve a mal. É só uma pergunta.
– Deixa eu te perguntar uma coisa então, você se sente atraído por qualquer menina que passe ao seu lado?
– Lógico que não!
– É a mesma coisa! Não é porque ela gosta de meninas que ela vai gostar de QUALQUER menina.
– Mas você não é qualquer menina…
– Mas eu sou a melhor amiga dela, não tem nada a ver…

Era engraçado, mas nem Beca acreditava nessa desculpa. Mesmo que as duas não tivessem se visto no fim de semana, passaram boa parte dele trocando mensagens no celular. Alexia estava enrolada com um trabalho da faculdade e acabou que as duas passaram os dois dias estudando na casa de Nina. Sua mãe não gostava muito dela, mas viu como sua filha estava feliz e decidiu dar mais uma chance ao namoro das duas.

No sábado à noite, ele e Beca assistiram a um filme no sofá enquanto Diogo subia para dormir. Porém, antes de chegar no quarto, fez questão de deixar claro que queria o menino dormindo no sofá, mesmo sua filha prometendo que não faria nada, ele não ficaria tranquilo sabendo que os dois dormiriam juntos. O filme nem tinha chegado na metade quando Joguí puxou Beca para mais perto e começou a beijar seu pescoço. Beca não estava interessada no filme e seu corpo começou a esquentar de uma forma estranha. Ela parecia ter perdido suas vontades próprias e quando se deu conta, estava com seu corpo embaixo do de Joguí no sofá da sala. As mãos do menino estavam em sua cintura, por baixo da blusa que ela vestia. Por um momento, percebeu onde isso acabaria e preferiu parar por ali. Não queria que sua primeira vez fosse assim, do nada. Deixou Joguí na vontade dormindo no sofá e foi direto para seu quarto. Já na cama, sentiu aquele líquido novo entre suas pernas e o coração acelerou mais uma vez.

O domingo foi de mais estudos, mas dessa vez, toda vez que Joguí e Beca tinham um minuto a sós trocavam olhares complexos e cheios de entrelinhas. A menina estava nervosa e tinha sonhado a noite toda em formas de acabar aqueles beijos no sofá. Joguí tinha prometido a ela que teria calma e nunca faria nada para magoar sua namorada.

Na noite de domingo, Diogo expulsou Joguí delicadamente de sua casa. Disse que ele precisava descansar e Beca também. Sem discutir, o menino recolheu suas coisas e pegou o caminho de volta para sua casa. Diogo não perdeu tempo e chamou a filha para um bate papo rápido:

– Beca, o João dormiu na sala ontem?
– Dormiu, pai! Assim como o senhor pediu!
– Espero que você entenda os meus motivos… – Diogo já estava com um enorme discurso preparado
– Ei, pode parar, pai! O seu trabalho é me proteger, eu sei e entendo. Não se preocupe, tá? Está tudo bem!
– Quem diria hein…minha filhinha namorando!
– Pai, não sou mais sua filhinha, sou só sua filha agora!
– Vocês crescem tão rápido…
– Você sempre fica meloso assim em semana de provas!
– Acho que é a ansiedade!

Os dois pediram uma pizza e terminaram o domingo no sofá assistindo aos gols da rodada e discutindo sobre futebol.

 

E aí? Estão curtindo o rumo que a história está tomando? Comentem e digam o que estão achando!

Autora_mari Veiga

Comente! ;)