É ela

Ela chegou tarde de novo. Eu já estava dormindo, por volta do segundo sono, como gostava de dizer minha mãe. Abriu a porta bem devagar, ascendeu a luz da cozinha só para não correr o risco de me acordar. Nosso apartamento era pequeno e se ela ascendesse a luz da sala, ia direto na nossa cama. Ela também sabia que eu tinha dormido de porta aberta, esperando por ela. Era como um convite que só ela entenderia.

Amanhã, vai me dizer que ficou presa com algum problema no projeto atual, ou algum cliente resolveu implicar com o que ela tinha mando semana passada e ela estava refazendo. Pode até ser, mas acho meio difícil. É que a mulher que escolhi pra mim é como se fossem várias em uma. Ela pode ser meu bebê e minha mãe ao mesmo tempo. Pode ser uma melhor amiga e às vezes aquela amiga que só serve para falar as verdades.

Ela tem tantas nela mesma que cada dia eu descubro uma novo e me apaixono ainda mais. Eu gosto disso. Gosto de me surpreender mesmo depois desses 3 anos e 6 meses que estamos juntas. Tenho certeza que ela ficou até mais tarde no escritório escrevendo. Peguei ela lendo na noite passada e era um livro novo. Sempre que ela começa um livro novo ou assiste algum filme diferente ela se inspira para criar histórias. É como um dom. O de transformar informação que recebe do mundo todo em palavras que rimam, textos maravilhosos e sorrisos em quem os lê. Principalmente eu.

Nunca me importei com ela me trocar por algumas horas com ela mesma. No final das contas, faço uma cara de quem não acredita que o problema foi o cliente e ela confessa que estava escrevendo ou desenhando ou pesquisando novidades no mundo. Ela precisa disso, sabe? Ela precisa dela mesma. Costumam dizer que é culpa do enorme ego que ela tem, que ele precisa se alimentar, mas não acho. Acho que ela é alguém que precisa conversar com si mesma para traçar caminhos. E eu não posso reclamar. Todos os caminhos dela são os mesmos que os meus. Ela é meu caminho e eu sou o caminho dela. E é isso que importa.

Lá vem ela pro quarto. Quer ver? Ela vai ascender a luz do nosso banheiro e encostar a porta para não me acordar. Depois vai correndo até a cozinha apagar a luz e vai voltar correndo porque tem medo do escuro. Escovou os dentes, fez o xixi rápido e não tomou banho porque amanhã de manhã ela vai tomar mesmo. Colocou a cuequinha listrada, a vermelha e cinza que compramos juntas na nossa primeira grande viagem. Colocou o celular para carregar na tomada dela. Sim, cada uma tem uma tomada, senão dá briga. A blusa que ela tá fui eu que dei. Ela adora. Apagou a luz do banheiro e veio meio que rápido, meio que em silêncio para a cama. Vou dar um susto nela. Ela não imagina que eu tô acordada, mas é que eu também estava com saudades e queria um beijo de boa noite para dormir bem.

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.