E a Globo? Nada

Mais uma vez ficamos chupando dedo. Depois de muita especulação em torno dos casais gays da novela “Amor à Vida” e depois de se tornarem os queridinhos do Brasil, o beijo não aconteceu. Pelo menos, não por enquanto.

Esfaqueamento, pode. Traição, pode. Maldade, pode. Amor, não.

Mas, mais do que o beijo gay, o que ficou de fora foi um beijo. Afinal de contas, qual é a real diferença de um beijo gay? Nenhuma, certo?

A luta vai além de mostrar dois homens ou duas mulheres encostando lábios no horário nobre da televisão brasileira. Precisamos lutar para que o “beijo gay” seja só mais um beijo. Será que é pedir demais que a mídia aceite que ser gay é tão normal quanto não ser?

Até quando vamos precisar lutar para sermos iguais? Será que em algum momento a mídia (e todo o resto da sociedade) vai entender que amor é amor? Até quando vamos precisar lutar para que mostrem beijos gays na novela quando tudo que queremos é que mostrem a realidade? Até quando vamos precisar mostrar para o mundo que ser gay é ser humano é ser gente é ser você mesmo?

Até quando vamos precisar lutar para amar? Obrigada, Globo. Você apenas permitiu que o estigma do beijo gay ganhasse um novo capítulo.

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.