Cap 35 – Matando as saudades – parte 2

182958803581887382_NMrVwCh0_c_largeNão foi o suficiente, quando olhou para Tati, ela já estava com o olhar mais irritado possível, puxando Dani e se afastando rapidamente. Ela ainda chamou a namorada para tentar explicar enquanto empurrava Dinho, não deu certo, elas duas se foram. Beta tentou em vão se soltar das garras de Dinho, mas não dava mais tempo, as duas já estavam longe e perdidas no meio da multidão, enquanto Dinho ainda esticava seus braços em volta de Beta. Com a força que conseguiu reunir, Beta empurrou Dinho, deu o dinheiro da encomenca, colocou o pacote na mochila e com o coração apertado e as lágrimas nos olhos, saiu correndo pela multidão.

Para sorte de Beta, Tati e Dani não sabiam andar pelo shopping como ela, e não demorou muito para Beta ver as duas perto de uma saída. De longe viu Dani tentando acalmar Tati enquanto ela parecia chorar compulsivamente. Beta não pensou, tomou a primeira atitude que veio a cabeça, mesmo não sendo a ideal. Correu, se meteu no meio das duas e abraçou Tati apertado. Deixou algumas lagrimas correrem, beijou os cabelos da namorada e a apertou bem próximo, a ponto de não passar ar entre seus corpos. Não queria solta-la de maneira alguma.

– Não fuja de mim assim, por favor!
– Você ia beijar ele. Não tinha como eu ficar lá!
– Eu não ia, me desculpe, eu devia ter te contado tudo!

Tati se soltou e com mágoa e medo no olhar perguntou bem baixinho:

– O que mais eu preciso saber? O que mais você não me contou?
– Calma meu amor! O Dinho foi um caso antigo! Na época que eu comecei a comprar coisas com ele! Mas já tinha acabado antes deu sair daqui! Nunca foi nada sério! Ele é sem noção!
– E isso é razão para ele chegar daquela maneira?
– Não! Lógico que não! Esquece ele amor! Ele não é nada! Nem nunca foi!

Nesse momento, Dani entrou na conversa!

– Tati, relaxa, você sabe como são os homens!
– Viu? Até a Dani concorda comigo!

Beta deu uma risada testando a reação de Tati que olhava para as duas sem entender e com os olhos ainda cheio de água.

– Até voce Dani? – E com um olhar um pouco mais relaxado, Tati sorriu. Deixando Beta e Dani mais tranqüilas e relaxadas. As três se abraçaram ali mesmo.

– Tem mais alguma coisa que você precise me contar?
– Não minha menina! Tem nada não!
– Eu quero saber é se você pegou a encomenda, afinal! – Dani estava doida para usufruir da encomenda!
– Lógico!
– Então podemos ir? Temos compromissos demais para hoje!

Já escurecia lá fora. As três resolveram passar na casa do irmão de Tati para tomar um banho, preparar o espirito e o corpo para a festa mais tarde. Prometia ser de arrasar. Era uma festa gay, mas dessas que lotam de heteros e as tres prometeram que seria a melhor noite da vida delas. Acabaram com uma garrafa de vodka, enrolaram a encomenda toda, no total foram 11 baseados pequenos. Cada uma ficou com 3 para guardar e 2 iam ser usados essa noite.

Saíram antes do irmão mais velho chegar, deixaram as mochilas na portaria do prédio, assim não precisariam ir no apartamento novamente. Pegaram um onibus até a praia onde compraram mais uma garrafa de vodka. Acenderam o primeiro baseado mas não terminara, como elas mesmas diziam, apenas inauguraram a noite. Entraram na fila, Dani, rapidamente se arrumou, Tati e Beta começaram a curtir a noite. Música alta, boate cheia, dj bom, bebida entrando e muitas coisas saindo. Os beijos entre Tati e Beta ficavam cada vez mais quentes, Dani estava se enrolando pelos cantos, mantinha contato apenas por mensagens, avisando que estava viva. Beta já explodia de vontades quando arrastou Tati para o banheiro feminino aproveitando uma música boa e a pista bem cheia, se trancou em uma das cabines do fundo com sua namorada e sem pensar duas vezes, puxou a saia de Tati para cima, já afastando a calcinha e deslizando os dedos por dentro de sua namorada, bem molhada. Foi o sexo mais rápido e necessário das duas. Não deu nem tempo de reclamarem do lado de fora. As duas se arrumaram, se beijaram e correram para fora, rindo e completamente bebadas. Mas felizes.

O sol começava a nascer e incomodava a vista das tres meninas, claramente bebadas e loucas sentadas na areia da praia. Tati e Beta deitadas de pernas enroscadas e Dani ao lado quase dormindo, os corpos estavam unidos e podiam uma sentir o cheiro da outra. Era deliciosa essa sensação de liberdade e esgotamento que elas não sentiam fazia tempo. Tati levantou a cabeça para olhar o mar, que começava a ficar rosado, acendeu o finalzinho do ultimo baseado, deu um trago e passou para Beta que tinha levantado junto com ela arrastando Dani. Quase terminaram o pequeno e ficaram apreciando o sol nascer.

Os primeiros raios iluminavam a água convidativa quando Dani saiu correndo, sem falar nada e mergulhou naquela imensidão do mar, de lá gritava o nome das amigas para se juntarem a ela. Beta logo levantou e puxou Tati, que estava muito cansada e disse que iria já, ficaria ali um pouco ainda. Beta a beijou vagarosamente e saiu correndo para o mar, ela não sabia explicar a saudade que estava daquele marzão todo ali aos pés dela. Um barulho de mensagem despertou Tati de sua apreciação da vista, era o celular de Dani. Como melhor amiga ela tinha o direito de simplesmente ler a mensagem, e assim fez. “Você é linda e a noite foi deliciosa, beijos na boca da sua gostosa!” Por um momento Tati achou estar delirando! Em nenhum momento viu Dani beijando meninas! Deu o último e derradeiro trago no baseado, releu a mensagem, riu e saiu correndo para o mar.

Elas estavam com saudades de serem elas mesmas.

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.