Cap 25 – Agora sim, a verdade

De dentro da última cabine saiu Fernanda, ou Nandinha, como era conhecida no colégio. A menina que todos os meninos queriam, e que todas as meninas queriam longe. Beta, Tati e Dani, nunca tiveram nada a ver com ela, nem se envolviam no grupo dessas meninas. Mas algo dizia que agora, elas teriam bons motivos para se falar!

A aula de sábado era um pouco diferente. Como era opcional nao tinha essa coisa de presença obrigatória, chamada, horário certo nem nada. Mas uma coisa nao podia ficar de fora: o café da manha tomado no pátio sentadas na mesa de sempre, e lá se foram. O trio inseparável, agora com Dani no meio. Ela tinha essa mania de nao parar de falar depois que acordava e ai Beta e Tati deixavam ela ter o seu momento já que ultimamente tudo girava em torno do novo casal. Café preto puro, media e um todynho, na ordem, Beta, Tati e Dani, sentaram na mesa de sempre, na posição de sempre, Beta ao lado de Tati e Dani na frente delas, assim a atenção era toda de Dani. Já estavam combinando o que iriam fazer no sábado a noite, precisavam sair e nao podia ser praia de novo, estava meio frio, quando Nandinha encostou na lateral da mesa com um sorriso malicioso encarando as três.

“Então quer dizer que é assim que pessoas como vocês vivem?” – Sem explicar nada perguntou olhando para as três.
“Pessoas como nos? Explique melhor!” – Dani tinha em seu DNA uma característica que muito nao aparecia. Briguenta.
“Meninas que beijam meninas” – Nandinha tinha um trunfo e nao estava ali pra brincar.

Beta gelou por dentro e tentou se manter indiferente, Tati fez uma cara de assustada e nao conseguiu disfarçar o que para Nandinha foi o suficiente.

“Por enquanto o segredo de vocês esta guardado comigo, depois conto o que vou querer em troca! Bom dia meninas!” – Ela era assim, direta e nao gostava de esconder o jogo que fazia.

Dani já ia atras dela dar uma lição para essa piriguete de quinta categoria quando Beta a impediu. Tati nao deu uma palavra e para falar a verdade nem se mexeu também.

“Tati, fala alguma coisa, anda! Se nao vou lá meter a porrada nela!” – Dani era sempre delicada assim mesmo.
“A mãe dela é amiga da minha mãe da igreja.” – Todas sentaram em silencio, agora entenderam qual a verdadeira situação do problema.

O silencio permaneceu e dominou o resto do café. Por baixo da mesa Beta apertava a mão de Tati em uma tentativa de passar um pouco de segurança pra namorada, Dani pensava em como acabar com Nandinha, ela tinha mexido com seu bem mais precioso, as melhores amigas do mundo.

Sem falar nada Tati levantou com o celular na mão, andou até o outro lado do pátio, fez uma ligação e voltou para a mesa.

“Que foi bebe? Pra quem você ligou?” – Beta nao tinha entendido nada, assim como Dani.
“É hoje! Acabei de falar pra minha mãe fazer almoço para eu ela e meu pai. Vou contar tudo a ela.”

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Este post tem 2 comentários

  1. nicolly

    tô adorando……………….. bjão da sua fã número 1.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.