Buracos – Cap 8 – Brincar, viver.

Você anda nas pontas dos pés ao entrar pela sala para não ser descoberta e fecha a porta sem fazer nenhum rangido. Mesmo sabendo que estarei na cozinha te esperando, você observa o cômodo cuidadosamente para ver se não estou a espreita como muitas vezes já aconteceu. Tem essa mania inquestionável de agir como se tivesse acabado de comer milhares de doces, e para não ser pega e levar bronca se esconde com medo. O seu jeito infantil misturado com cinismo chega a ser um charme, mas você me conhece tão bem que sabe o que estou pensando e isso não te assusta, e mesmo assim vai ao meu encontro com uma carta na manga. Torno minutos em horas só de pensar.

Não entendo esse magnetismo que me puxa, enche e transborda de você. Uma força sobre-humana que tira meus pés do chão fazendo tudo flutuar e ficar mais fácil. É preciso olhar com um sorriso sarcástico de canto, enroscar seu corpo junto ao meu fazendo com que os nossos cheiros se mesclem a tal ponto de chegar a esquecer de seus atrasos e o motivo pela qual estou emburrada. Um ato tanto covarde por atacar a inimiga no ponto mais fraco sem ao menos lhe dar a chance de revidar. Mas desde o primeiro dia que nos cruzamos eu soube que seria como pular de um paraquedas, o vento constante no rosto e a adrenalina da queda livre mostraria liberdade com uma pitada de aventura. Perco a noção do espaço só de pensar.

Chocolate é um vicio tão seu que faz parte do meu cotidiano que nem chego a questionar. Em ocasiões assim você traz como um pedido de desculpas pensando mais em você, e isso não importa. Pois eu adoro roubá-los de sua boca, eles ficam mais apetitosos e com um sabor único. O seu. Você adora isso que eu sei. Por isso ainda traz repetidas vezes e das muitas acompanhada por uma garrafa de vinho tinto. Um vício meu que inseri no seu cotidiano a qual você também nunca reclamou. Sua risada gostosa e sua mão boba depois de algumas taças tornam o final da noite mais engraçada e suportável. Chego a sorrir só de pensar.

Brincar de casinha nunca foi tão leve assim. Das vezes que brinquei foi tão dolorido. Mas com você foi singular, ainda é. Um jeito brilhante de moldar as coisas a seu favor sem precisar forçar nada e ninguém. É mais um dom natural dos tantos outros que possui. Pequena, mas grandiosa por tornar tudo o que é insignificante em algum tipo de propósito. Admiro a audácia de me tirar do sério em poucos segundos e com um simples ato de pegar a minha mão transmitir uma enorme calma nunca sentida. Não que você seja perfeita, aos meus olhos até que é. Mas em todo o relacionamento alguém tem que bancar a chata e forçar uma briga mesmo sem grandes motivos. Não que eu queira tornar disso um hábito, mas é que sua pegada um tanto forte também distorce qualquer mente sã, principalmente a minha. Chego a desejar só de pensar.

Só de pensar… Você… Uma tormenta que traz junto à paz. Uma tormenta que nunca vou deixar em paz.

sig_mai.png

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.