Brincadeiras do destino – Cap 48

O dia seguinte acordava com as marcas de uma noite dividida por lágrimas e sorrisos. A toalha na mesa estava com manchas de vinho e a toalha de banho molhada estava jogada no chão do banheiro. As duas criaturas apaixonadas estavam estiradas na cama, cobertas pelo edredom branco e preto que compraram juntas quando Carol se mudou para a casa de Andreia. Ele era maior do que a cama, perfeito para cobrir as duas.

Andreia foi a primeira a levantar, vestiu uma camiseta larga e uma cuequinha como sempre e foi para a cozinha preparar o café da manha. No caminho, recolheu as taças, a garrafa vazia e a bagunça que deixaram na noite passada. Elas tinham aproveitado para comemorar, mais uma vez, o noivado. Por elas, toda noite era noite de comemoração.

O cheiro do café já invadia o apartamento todo quando Carol surgiu na porta do quarto, da onde olhava Andreia se movimentar pela cozinha:

– Acho que posso me acostumar a acordar a vida inteira e ver você na mesma casa que eu.
– Você acha? Então é bom ter certeza, porque é exatamente isso que vai acontecer – Andreia foi até a noiva e a beijou desejando bom dia.
– Tenho uma boa e uma má notícia para voce. Qual voce quer primeiro?
– Podemos antes beber um gole de café? Está fresquinho!
– Podemos

Carol estava rindo da forma como Andreia gostava de adiar qualquer noticia ou atitude muito seria antes do café, principalmente em um sábado.

– Agora que eu já comecei meu dia, pode falar – Andreia abraçou a namorada pela cintura com uma mão enquanto mantinha a caneca de café na outra
– Meus pais me ligaram

Andreia se afastou e encostou na bancada que dividia a pequena cozinha da sala e deu mais um gole em seu café preto esperando Carol terminar de falar o que eles queriam:

– Eles querem almoçar com nós duas hoje.
– E o que você acha?
– Acho que eu quero tentar. Mas se você não quiser, não vou me importar, de verdade!
– E eu te deixaria ir sozinha? Nunca nessa vida. Ainda mais agora!
– O que tem agora?
– Agora você aceitou ser minha para sempre.

Carol riu um pouco sem graça e abraçou a noiva como se pedisse um colo. Andreia apoiou a caneca e abraçou a pequena noiva a fazendo ficar protegida em seu peito. O coração das duas estava acelerado e batia em dúvida. Ninguém sabia o que esperar daquele almoço.

– Amor, tem mais uma coisa. – Carol se afastou um pouco de Andreia para conseguir olha-la nos olhos
– O que foi?
– Eles vão vir almoçar aqui em casa.
– Ai. meu. Deus.

Andreia ficou ainda mais tensa, olhou em volta e viu a bagunça que a casa estava e começou a pensar em o que fariam para comer e não sabia se ficava chateada com Carol ou não, mas olhou para a noiva, que estava sorrindo como uma criança levada e não resistiu. A abraçou, lhe deu um beijo e ordenou que começassem a arrumação naquele instante.

Carol colocou a musica alta, pegou o material de limpeza e começaram.

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.