Brincadeiras do destino – Cap 3

– Porra, não vai falar comigo não? – Carol era sempre delicada assim
– Depende, se na próxima você não vier me cumprimentar com um tapão nas costas

E o amor nasce lindo, não é mesmo?

Sentaram, conversaram, beberam cerveja, olharam o mar, beberam mais cerveja. E lá ia o relógio noite adentro. Já passava de 1 e pouca quando Andreia se levantou, ou pelo menos tentou, depois de tantas cervejas, certa de que iria pra casa descansar e dormir. No dia seguinte, tinha um reunião cedo e de extrema importância. Carol não deixaria ela ir sozinha, naquele estado, fez o favor (faria esse favor milhões de vezes) de leva-la até em casa.

Já na porta do apartamento de Andreia, Carol a ajudou a colocar a chave na fechadura, colocou água, a jogou na cama e estava pronta para ir embora, quando Andreia a puxou com toda a força que tinha (e que Carol não esperava) e a jogou na cama ao lado dela, passou a perna por cima dela e lhe beijou com uma intensidade que nem ela sabia que tinha.

Carol assustada com a reação de Andreia, mas nem um pouco triste, procurou ir com calma nas reações, por mais que por dentro estivesse pegando fogo! Deixou que Andreia, mesmo bebada, tomasse todas as atitudes inicias. Pelo visto essa era a sina delas, Andreia tomava atitudes e Carol apenas reagia.

As roupas foram parar no chão muito rápido, as mãos reconheceram os corpos e todas as suas curvas, enquanto as bocas pouco se desgrudavam. Andreia, mesmo tonta, sabia exatamente aonde ir, Carol, que já tinha experimentado tantos corpos, nunca sentiu dedos e língua tão habilidosos quanto de Andreia. Experimentaram todos os cantos do apartamento, em particular, Carol gostou do sofá e do chuveiro.

Gozaram juntas, orgasmos fizeram a trilha sonora da noite. E o dia já prometia amanhecer quando Andreia, exausta, desmaiou de sono com o corpo enroscado em Carol. As duas dormiram sentindo o cheiro uma da outra com seus corpos nu grudados a ponto de não conseguir identificar onde um terminava e outro começava. Andreia estava exausta, mas satisfeita e Carol estava surpresa, nenhuma mulher que tinha passado em sua vida, e olha que foram muitas, tinha lhe dado tanto prazer quanto Andreia em uma única noite.

Já passava das 10 quando Andreia despertou do seu sono profundo e com uma ressaca sem tamanho. Levou um susto quando lembrou da reunião importantíssima que tinha logo cedo, mas primeiro olhou ao lado e não viu ninguém, naquele instante teve certeza que a noite passada tinha sido parte de um delicioso sonho. Levantou, pronta para tomar um banho, já imaginando as terríveis consequencias que teria o seu atraso a reuniao de trabalho. No banheiro teve então o recado que precisava. Escrito de batom no espelho estava:

– Sua reunião foi desmarcada. Olha no celular. Quero outra noite dessas. Carol

Andreia se arrastou para a cama novamente, olhou a tela do celular para confirmar a notícia, sorriu triunfante e pensou: ufaa, essa foi por pouco, essa menina ainda vai me dar problemas. Mas que delicia de menina fechou os olhos e deixou o sono chegar outra vez. Resolveu sonhar com outra noite igual.

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Este post tem 2 comentários

  1. Jaqueline Maia

    Muito boa essa historia.

  2. Erika Daninger

    To viciadaaa em todas as histórias. rs

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.