Brincadeiras do destino – Cap 23

Diana ficou sem resposta e sem falar nada jogou os braços no pescoço de Andréia e a beijou, e foi beijada de volta.

Diana enroscou os dedos nos cabelos meio soltos de Andréia e puxou seu corpo para mais perto. Andréia respondeu ao estimulo, sentiu seu corpo se encaixando no de Diana de uma maneira que só elas entendiam. E que não tinha mudado em nada.

Andréia sabia que isso era errado, como ficaria Carol? Não conseguia parar, quando voltou a realidade as mãos de Diana estavam na sua cintura conduzindo seu corpo sem que ela percebesse para o quarto. Diana sabia exatamente onde tocar e onde não tocar.

Deitou Andreia na cama com carinho, deixou a boca para beijar seu pescoço enquanto suas mãos começavam a desvendar caminhos mais prazerosos. Em um único movimento tirou o short de ficar em casa que Andréia usava, que parecia uma cueca tipo boxer. A calcinha de Andréia denunciava o prazer que estava sentindo. Diana estava ganhando o jogo.

Andréia tentava se desvencilhar e toda vez que a realidade mandava parar, algo a puxava para um transe de prazer e tesão que a impedia de tomar qualquer atitude. Em sua cabeça  o sorriso de Carol aparecia como uma forma de realidade bem longe, enquanto Diana tomava seu corpo sem pudor algum.

As mãos de Andréia chegaram perto dos seios de Diana mas não tiveram coragem de encostar, a cena parecia até injusta: Diana tirando a roupa de Andréia enquanto esta não reagia, mas também não agia. Parecia que ela estava sob efeito de drogas e nao pudesse reagir.

Diana arrancou a blusa de Andreia e com a língua afiada, mexeu com um dos seus pontos fracos, o bico do seio. Andréia se contorceu de prazer com a boca de Diana tomando por inteiro seu peito, chupando, lambendo e mordendo. Andréia estava fora de si.

O sexo entre as duas era certo, encaixado, nao havia como errar. Diana ainda estava com uma parte da roupa quando Andréia já estava completamente nua com o corpo quente embaixo do seu, Diana correu todo o corpo de Andréia com a língua ate chegar no ponto máximo. Lambeu, chupou e bebeu tudo que podia, ate Andréia chegar ao máximo do seu prazer, explodiu em um gozo gostoso com o corpo suado e quente sob as mãos e a língua de Diana. Andréia aos poucos foi saindo do transe. Se deu conta que tinha acabado de gozar na boca de Diana e se deu conta do que tinha feito. Ficou em choque durante alguns segundos, até levantar da cama como se acordasse de um sonho ruim.

– Porque voce fez isso? Voce ta maluca?
– Nem vem! Eu nao fiz isso sozinha nao, você estava na cama junto comigo!

As duas estavam alteradas e a voz delas nao parecia normal.

– Você é completamente louca, Diana!
– E você bem que estava gostando né? – Diana se aproximou do corpo ainda nu de Andréia.
– Você quer saber a verdade? Eu gostei sim, assim como gostei quando transei com uma qualquer que conheci na noite! Tesão é só tesão! Eu nao sinto mais nada por você, e esse sexo vazio só me provou mais ainda isso!

Diana nao conseguiu responder, Andréia colocou sua blusa do avesso mesmo, colocou o short sem a calcinha, respirou fundo e continuou, agora com uma voz mais branda.

– Entende de uma vez por todas: a escolha de ir embora foi sua e agora a escolha de nunca mais querer te ver é minha. Arruma suas coisas agora, quero você fora daqui antes de escurecer.

E assim Andréia saiu do quarto, sentou na mesa do computador e voltou a trabalhar. Sua cabeça não estava no trabalho mas ela precisava fingir.

Diana saiu do quarto com lagrimas correndo pelo rosto, arrumou as poucas coisas que tinha, colocou na única mochila que levava consigo e saiu pela porta de Andréia sem nem olhar pra ela. Era a ultima vez que Andréia iria ver Diana. Ou não.

Andréia continuou sentada no computador apenas ouvindo a movimentação de Diana. Esperou a porta bater nas suas costas e aí sim, colocou pra fora em lagrimas tudo que estava dentro dela. E como nao era o suficiente explodiu em gritos de dor, culpa e arrependimento. So conseguia pensar em Carol. Naquele sorriso lindo, da sua nova companheira, Carol.

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.