As Histórias de Má – Post no Parada Colorida

Bom, como todas sabem, eu tenho uma coluna no blog Parada Colorida. Posto lá todos os domingos. E agora vou postar aqui para quem quiser também!! Mas passem lá que tem muita coisa legal também, além de mim, óbvio! rsrsrsrss!! Beijos, se divirtam! Ahhhh, esse é o Cap 5, quer ver os outros? clica aqui

Vortaaaaamos! Então meninas!! Acabou carnaval, geral pulou bastante né? Então aproveitei esse clima de confetes e serpentinas para tentar lembrar de alguma historia legal de carnaval! E não é que lembrei? Então, cês lembram como foi que eu entrei nesse mundo né? Com a Didi que eu conheci no meu curso de teatro né? Então, depois que ela foi embora, ir para as aulas sempre foi muito difícil para mim, tudo lá me lembrava ela e tudo que acontecia lá eu só conseguia pensar no que ela faria se tivesse e coisas assim. Mas mesmo com tanta saudade, eu não saí de lá de maneira alguma! O teatro me fazia bem, e no palco a gente podia ser qualquer coisa né? Então muitas vezes no palco eu conseguia ser a Má! A mesma Má que eu sou aqui com vocês, 100% aberta para todos.

Bom, ok, não saí de lá e muito pelo contrário, todas as minhas amizades passaram a ser de lá, as pessoas eram mais tolerantes no teatro e como a gente passava muito tempo juntas, uma ja sabia os segredos da outra e não tinha também uma separação muito grande entre meninos e meninas, todos éramos iguais. Enfim, já deu pra entender que a gente se dava super bem né? Aí chegou o carnaval e nós resolvemos sair juntos para um bloquinho que tinha no centro da cidade que era super gay! Quem deu a ideia foi um menino lá, todo mundo chamava ele de purpurina, e voces ja podem imaginar porque né? Mas ele nem se importava! Assumiu o apelido na verdade! Eu super apoiei a ideia, afinal de contas era minha chance de conhecer alguma menina na vida real!

Era terça de carnaval e os outros dias nós tinhamos saido para barzinhos, nenhum bloco! O purpurina levou uma amiga dele todos os dias. Ela não era do Rio, mas veio passar o carnaval e ficou na casa dele. Desde o primeiro dia eu já sabia que ela era gay. Sei lá porque, mas sabia! E não deu outra, lá pelo domingo a noite estavamos bebendo uma cerveja lá pertinho de casa e só estavamos em 4 e o purpurina comentou da ex namorada dela, super de boa o comentário. Menos pra mim, ainda era meio estranho essa coisa toda né? Enfim, fiquei meio tensa, ela era gay gente! E ela era bem bonitinha! Fiquei tensa demais!!

No dia do tal bloco, fomos nós para o centro né! Um sol de rachar, eu fui de shortinho, blusinha e biquini, né por nada não, mas eu bem me pegava naquele dia! kkkk….a amiga do purpurina estava de biquini também, uma bermudinha e sem blusa, aliás, a blusa estava presa na bermuda e eu pude ver que ela tinha uma tattoo nas costas e como eu sou louca para fazer uma na hora puxei papo sobre o desenho lá (que para ser sincera nem lembro o que era..kkkk). Bloquinho vai, bloquinho vem, cerveja entra, vontades aumentam! O calor estava de matar, todos os nossos amigos do teatro já estavam perdidos ou pegando alguém! Sobrou eu, ela e o purpurina o que não durou muito. Ele foi achado por um amigão, daqueles que ele beija na boca, e sumiu junto com o tal amigo. Ficamos só nós duas. Ai gente, como eu queria ficar com ela, e eu não sabia como! Não sabia nem como dar a entender que eu gostava de mulher! Nunca tinha feito isso na vida. Acho que a sorte foi é que eu tava bebendo cerveja! Já devia ser a 4 latinha quando vieram distribuindo um chapeu daqueles pintados de carnaval e ela pegou um e botou na cabeça. Tive a brilhante ideia de dar uma passo em direcao a ela, puxar o chapeu dela e colocar na minha cabeca! Ela riu e veio para pegar de volta, eu coloquei a mao nele e nao deixei ela tirar, aí fui e falei:

– Tudo tem um preço! Até esse chapeu!

– E qual é o preço desse chapeu?

– Não sei, o que você quer pagar por ele?

– Que tal um beijo?

Ai gente!!! Eu não sabia o que fazer, eu queria dizer sim, mas não podia, tava com medo de algúem conhecido ver a gente ali e isso não ia ser legal, eu só sei que tirei o chapeu e fui dar pra ela, e aí um espirito de foda-se me tomou por inteira que quando ela ia pegar o chapeu da minha mão, eu fui e dei um beijo nela. Um estalinho, rapidinho. Ela riu. Pegou o chapeu, me puxou pela mão me carregou para um cantinho que achamos que não tinha quase ninguém. Pelo menos ninguém conhecido!

Gente, foi bom demais! Ficamos o resto do dia! Até quando chegamos em casa! Aproveitamos que os pais do purpurina tinham saído e curtimos bastante por lá! kkkkk!! Tive que contar para ele né? E sabe o que é o melhor? Ele super me entendeu o fato deu esconder e tal e é meu amigão até hoje! Na quarta feira de cinzas a noite ela voltou para casa e até lá nos ficamos de casalzinho o resto do tempo. Foi bom demais! Volta e meia eu falo com ela pelo computador, mas ela é meio maluca, ela achava que era minha namorada! kkkkkk…bom, depois conversamos e ficou tudo bem!

E voces? Tem historias legais de carnaval? Me conta aí!! hparameninas@gmail.com

Beijo gente! 😉

Desiree

Sapatão convicta. Nunca recuso uma cerveja gelada e batata frita. Amo samba, pagode, funk, etc. Me chama pro barzinho, pra baladinha, pra show... pode escolher, eu topo! Geminiana com ascendente em câncer.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.