8 de março – sobre trabalhar com mulheres criando conteúdo para mulheres

8 de março – sobre trabalhar com mulheres criando conteúdo para mulheres

Eu poderia chamar esse texto de hoje de coluna editorial. Quem está escrevendo não é uma escritora, nem uma publicitária, apesar de ser essas duas coisas. Aqui, venho como Desirée, a pessoa que, alguns anos atrás, teve a brilhante ideia de começar um negócio do nada, sozinha, para – tentar – dar espaço para mulheres que escrevem sobre os amores entre mulheres. Mas, acima de tudo, mulheres que escrevem para outras mulheres.

Nestes quase cinco ou seis anos – sou péssima com datas e números – que trabalho com a editora, muito aprendi, muito me surpreendi e continuo aprendendo e me surpreendendo dia após dia. Quando trabalhamos com outras mulheres, uma ajudando a outra a levantar um pouco mais, conhecemos pessoas que tem uma historia diferente da nossa. Pessoas que buscam coisas diferentes e que, principalmente, veem o mundo de uma forma diferente da nossa. E isso me ensinou tanto.

Conheci casais de mulheres que tinham relacionamentos de anos sem a família saber por causa do preconceito. Conheci mulheres que estavam em relacionamentos abusivos com outras mulheres – ou vocês acham que isso não existe? Conheci mulheres que batalhar o dobro para conseguir se destacar em um mercado predominantemente masculino. Conheci mulheres que tiveram sua auto estima diminuída porque não se adequavam ao padrão. E não falo apenas de corpo e forma física mas muito além.

E o mais engraçado nisso tudo é nas tantas vezes que me peguei errando. Me peguei julgando a mulher que eu conhecia, me peguei questionando um ou outro estereótipo, mas no momento seguinte, exigindo que fulana se adequasse. Não nascemos desconstruídas, não nascemos sabendo tudo. Muito pelo contrário, crescemos sendo ensinadas que o mundo é uma estrutura machista e patriarcal. Não é difícil quebrar essa hegemonia intelectual que enfiaram na nossa mente desde os primórdios.

Tenho muito orgulho de todas as mulheres que conheci nesse curto caminho que trilhei como GrupoHPM. Não tenho palavras para dizer o quanto já aprendi e o quanto aprendo todos os dias. Não sou a dona da verdade, mas estou aqui para reverberar tudo que mostre ao mundo quem nós somos. De verdade. Estamos prontas para lutar pelo nosso lugar. Na linha de frente, nós seguimos juntas. Mais um 8 de março de luta ao lado de vocês. Que venham muitos outros.

De Lourenço

Publicitária que resolveu tentar a vida sendo escritora. Pica das galáxias em social media e viciadíssima em café.

Comente! ;)