20 e poucos anos – Cap 18

20 e poucos anos – Cap 18

Depois de muito conversarem, Samanta acompanhou Susan até a casa dela. Lá se despediram e Sam foi para o restaurante. A festa já havia terminado, só restando alguns empregados que foram contratados para aquele evento em especial.

Samanta, que até então tinha no peito um sentimento agradável, ao entrar no restaurante sentiu-se amarga novamente. Ela esperou arrumarem tudo e foi para seu canto na dispensa.

– Incrível como as pessoas se acostumam rápido com o que é bom. – Pensou ela, assim que entrou na dispensa e se viu com dificuldades de encontrar um canto agradável para deitar, pois nas ultimas noites vinha dormindo na cama confortável de Carina.

Assim que ela se acomodou, pensou naquela situação.

O que afinal havia acontecido? Pela manhã, Carina havia confirmado com ela o encontro de todos os dias e a noite ela estava oficialmente noiva? Elas passaram duas semanas juntas e Carina nada falara a respeito disso. Será que no final das contas, tudo não passava mesmo de um treinamento?

Sam tentou dormir para esquecer, mas não conseguiu. Até que decidiu ir até o quarto de Carina.

Base para capítulos-20

Subiu as escadas silenciosamente e ao chegar no quarto girou a maçaneta vagarosamente como vinha fazendo durante aquelas duas semanas. Quando terminou o giro, percebeu que a porta estava trancada. Seu coração apertou e ela deu meia volta para ir embora quando pensou: “e se Carina tivesse trancado por que ela demorou a subir?”.

Voltou à porta e bateu com a mão espalmada, para não fazer muito barulho, mas nada. Virou-se para sair quando ouviu um baque abafado de algo caindo no chão, do lado de dentro do quarto. Sam voltou e chamou por Carina pela fresta da porta. Ouviu passos cuidadosos se aproximando e então sua resposta:

– O treino acabou Samanta, pode voltar para o seu cantinho na dispensa.
“E ai de você se contar o que aconteceu entre nós para alguém. Vai ser a sua palavra contra a minha e ainda dou um jeito de devolver você para o buraco de onde saiu. Agora suma!”

Sam ficou olhando para a porta sem ação. Sentiu seu coração apertar tanto que doeu. Tinha algumas coisas para falar, mas tudo sumiu da sua mente.

Voltou para a dispensa. Lá chegando atirou-se a um canto qualquer e pôs-se a chorar.

sig_Gabi

G.G.

Escritora nas horas vagas. Tudo o mais é um mistério. Uma frase que define: "Acho que não sei quem sou, só sei do que não gosto." (Teatro dos Vampiros - Legião Urbana)

Comente! ;)