Menu fechado

QUANDO MENOS SE ESPERA – Capítulo 41

Instantes depois, Amanda batia à porta do banheiro de Valentina e ela saiu receosa. Elas então se entreolharam por alguns instantes… Valentina não conseguia decifrar o olhar de Amanda e aquilo a deixou ainda mais ansiosa.

Minutos antes, Amanda lia o poema, enquanto Valentina se corroía de agonia dentro do banheiro. Ao ler o pedido de namoro, Amanda foi tomada por um calafrio devido ao medo que tinha sentido.

Por isso, durante um momento, ela tinha resolvido refletir sobre tudo aquilo. Era certo que ela havia amado o poema e a forma como Valentina tinha feito para lhe fazer o pedido. Inclusive, havia se percebido emocionada, apesar do medo. Era certo, também, que uma eventual aceitação da sua parte iria apenas formalizar algo que já existia na prática. E, concluiu, por fim, depois de uma chuva de pensamentos e sentimentos, que ela realmente queria muito ser namorada de Valentina. Isso ela não poderia mais negar!

Então, depois dos olhares trocados, Amanda deu um entusiasmado e apaixonado beijo em resposta ao pedido de Valentina, que ficou em êxtase!

Depois, Amanda se afastou e trocou sorrisos com ela, que perguntou:

– Isso é um sim?!

– O que você acha? – Amanda falou sem jeito.

Valentina estava muito feliz com a resposta positiva de Amanda. Então, ela sorriu e a beijou apaixonadamente. Logo depois, elas se soltaram do beijo, mas permaneceram abraçadas e em siêncio.

Instantes depois, Amanda comentou rindo:

– Nunca imaginei que você, Valentina Ferrato Rizzon, pudesse ser romântica!

– Nem eu sabia que tinha esse lado… Culpa sua que tá despertando essas coisas em mim… – Valentina beijou o pescoço de Amanda, que se sentiu arrebatada ao ouvir a declaração da agora namorada.

Amanda se afastou e falou, ainda com as mãos enlaçadas no pescoço de Valentina, que permaneceu abraçada a sua cintura:

– Que bom! Sempre desconfiei que você fosse diferente aqui dentro! – tocou o local do coração dela com o dedo indicador.

Valentina riu e, em seguida, seu rosto assumiu um ar reflexivo. Então, ela falou:

– É… Depois que minha mãe morreu, eu sempre fiz questão de me esconder… De não mostrar quem realmente eu sou pra ninguém… Com exceção da Rosa… Sei lá, acho que fiquei meio rebelde só pra chamar atenção do meu pai, que, durante um tempão, só pensava em trabalhar!

– Com certeza! Isso é bem compreensível, Valentina! Mas se você acha que tá mudando, isso se deve a você e não a mim… Ninguém muda ninguém…

Valentina fez uma cara de quem estava pensando e disse:

– Bom, o que importa é que se eu tiver mudando mesmo, espero que seja pra melhor! – sorriu.

– Ah, isso você pode ter certeza que tá sendo, viu? Eu que o diga! – Amanda sorriu e acarinhou o rosto de Valentina.

– Então tá! Se minha namorada tá dizendo, eu acredito!

De repente, o rosto de Amanda assumiu um ar de seriedade, o que fez Valentina perguntar:

– O que foi?

– Nada não! Só preciso me acostumar que agora estamos oficialmente namorando!

– Ah, claro! Entendo demais… Ora, se pra mim, que já fiquei com algumas garotas, preciso me acostumar também, imagina pra você que tudo é ainda muito novo. Por que, venhamos e convenhamos, é difícil de acreditar que a gente tá namorando, né? Até pra gente! – Valentina riu.

– Com certeza! – Amanda a acompanhou na risada. – Sim! Mas vem cá: você já ficou com muitas garotas, foi? Hum! Quantas, posso saber? – Amanda fingiu ciúmes.

– Ah! Não foram muitas, não! Dá pra contar nos dedos! – Valentina sorriu.

– Ah, tá! Nos dedos das mãos?

– E dos pés! – Valentina completou e riu.

– Bem danadinha você, hein?!

– Ah, Amanda, era uma época em que não pensava jamais em namorar… Aí, ficava sem compromisso nenhum… Mas agora… – parou de falar.

– O que tem agora? – perguntou Amanda curiosa.

– Agora é diferente… Eu tô… Ah, você sabe! – Valentina falou sem graça.

– Sei não… – Amanda brincou com ela.

– Que eu tô apaixonada por você?! Sabe demais! Mas você quer ouvir, né? – Valentina fez cócegas nas costelas de Amanda.

– Ai, para! – ela se defendeu. – E, claro, que eu quer ouvi. Pra dizer a verdade, eu não me canso de ouvir! Ah, mas eu também falo. – Amanda então pegou o rosto de Valentina entre as mãos e a olhou fixamente nos olhos. – Eu também tô apaixonada por você!

Valentina se aproximou e beijou-lhe com carinho e leveza. Depois que terminaram o beijo, Amanda perguntou:

– E a gente não vai tomar café da manhã, não? Tô morrendo de fome!

– Eu também. Vamos! Ah, me esqueci de dizer: o livro é seu, tá?

– Sério? Não, Valentina! Não posso aceitar…

– Claro que pode! O livro é meu e eu dou pra quem eu quiser, ora! – ela riu.

Amanda a abraçou forte, beijou-lhe os lábios rapidamente e disse:

– Obrigada! Obrigada! Você é incrível!

– Eu sei. – Valentina brincou.

– Sua boba!

Então, elas saíram do quarto e, antes de irem para a cozinha, passaram no quarto de Amanda para ela deixar o livro.

– Vai ficar aqui, pertinho de mim sempre! – ela sorriu para a namorada pondo o livro na cabeceira da sua cama.

Em seguida, de mãos dadas – já que tinham que aproveitar os poucos momentos! – elas desceram, tomaram café da manhã e resolveram ficar em casa mesmo. Foram para o home cinema, que era mais espaçoso que o quarto delas, deitaram-se no sofá, abraçadas, e ficaram assistindo à série favorita delas.

Perto da hora do almoço, Valentina perguntou:

– Você gosta de sushi, Amanda?

– Adoro! Por quê?

– Tava pensando em não comer o que a Ana deixou pra gente… Aí, pensei que a gente podia pedir sushi! O que acha?

– Acho uma ótima ideia! Faz tempo que não como sushi!

Então, Valentina pausou a série e fez o pedido. Quase uma hora depois, elas almoçaram no chão do home cinema mesmo. Enquanto almoçavam, Valentina perguntou:

– Você já viu o filme da mulher-maravilha?

– Ainda não! Mas tô doida pra ver! – Amanda falou antes de por uma peça de sushi na boca.

– Vamos ver depois? O Léo baixou pra mim. Legendado e com uma ótima resolução!

– Vamos sim!

Assim, depois do almoço, Valentina pôs o filme e elas se aconchegaram para assistir. No meio do filme, Valentina comentou empolgada:

– Caramba! Essa mulher é muito gata!

Na mesma hora, ela ganhou um leve beliscão de Amanda na barriga.

– Ai! Por que você fez isso? – Valentina perguntou alisando o local do beslicão.

Fingindo estar zangada, Amanda disse tentando conter o sorriso:

– Pra você deixar de ser sem-vergonha, mocinha!

– Foi só um elogio! Quer bem dizer que você não acha ela bonita?!

– Acho ela linda e charmosa! – Amanda riu.

– Olha! Senão eu te belisco também! – Valentina riu fazendo cócegas na barriga de Amanda.

Ela se contorceu toda e pediu para parar. Valentina então a abraçou e dando vários beijos rápidos entre as palavras, falou:

– Ela só não é… mais linda… do que… minha… namorada!

Cada vez que Valentina a elogiava ou era romântica, Amanda ficava toda derretida. Quase sem acreditar que aquela pessoa era a mesma de meses atrás.

– Humpf! Bom mesmo você pensar assim! – Amanda falou mordendo de leve o lábio inferior de Valentina.

Elas riram e Valentina disse:

– Perdemos boa parte do filme. Vou voltar…

Assim, abraçadas e fazendo carinho uma na outra, elas assistiram ao filme e depois voltaram a ver a série. Mas o sono acabou vindo visitá-las e elas adormeceram dois episódios depois.

No fim da tarde, Agnelo e Júlia chegaram do clube. Ainda na sala, ele falou para a esposa:

– Amor, vou ao escritório rapidinho resolver um coisa pra amanhã. Vou já para o quarto, tá? Me espera lá? – Agnelo piscou e abraçou Júlia com paixão, beijando-lhe os lábios.

– Espero sim! Na cama… – Júlia falou sedutoramente.

– Hum… Acho que vou deixar pra resolver esse problema depois!

– Não. Vai lá. É o tempo que eu tomo banho e me refresco pra você, meu amor!

– Ótimo! Prometo ser rápido! – ele beijou novamente Júlia e saiu para o escritório.

Quando ele passou pelo home cinema, ouviu o barulho da tv vindo de lá. “Deve ser uma das meninas! Só espero que se for Valentina, ela não esteja com alguma amiguinha! Se bem que faz tempo que não vejo ela trazer nenhuma garota pra cá!”. Como queria resolver logo o problema do trabalho, pois sua mulher o esperava no quarto e não queria perder tempo, ele não quis se certificar.

Júlia subiu as escadas chamando por Amanda. Em seguida, abriu a porta do quarto da filha e nada. “Será que ela saiu?”

Quando Agnelo fechou a porta do escritório, Amanda despertou sobressaltada. Olhou a hora, sentou-se no sofá, agoniada, e acordou Valentina lhe tocando o braço:

– Valentina, acorda!

A garota acordou e perguntou o que tinha acontecido. Amanda lhe mostrou a hora e disse que achava que os pais haviam chegado.

– O que nós vamos fazer agora? Como vamos sair daqui? – Amanda perguntou desesperadamente.

– Calma. Temos que manter a tranquilidade, senão não vamos conseguir pensar em nada!

Ficaram em silêncio alguns instantes e Valentina finalmente disse:

– Aqui tem uma janela! Eu vou pular e dá um tempo lá fora. Você fica aqui vendo tv. Deixa a Júlia vir te procurar… Depois eu entro pela porta principal e digo que tinha ido na casa do Leo.

Nesse momento, elas escutam a voz de Júlia chamando pela filha.

– Vai logo, Valentina! – Amanda falou aflita.

Então, ela pulou a janela do home cinema e resolveu ir ao quarto de Rosa para não ter nenhum perigo de alguém vê-la ali fora da casa.

Assim que a garota saiu pela janela, Júlia abriu a porta do home cinema. O coração de Amanda estava para sair da boca.

– Filha, pensei que você tivesse saído. Tudo bem? – Júlia se aproximou e beijou a cabeça da garota.

– Tudo… Saí não, passei o dia por aqui mesmo… Agora à tarde resolvi vir pra cá… Não aguentava mais meu quarto! – Amanda sorriu tentando falar com naturalidade.

– E a Valentina?

– O quê que tem ela? – Amanda se tremeu toda com a pergunta.

– Ela ficou por aqui? Ou saiu?

– Sei não… Não vi ela hoje… Cadê o Dr. Agnelo? – Amanda mudou de assunto.

– Foi ao escritório resolver um probleminha… Vou indo. Tô cansada… Vou pro meu quarto, tá? Ainda vai ficar aqui?

– Vou sim.

– Então, tá! Vou indo… – Júlia beijou novamente o topo da cabeça da filha e antes de sair, olhou para a mesa ao lado do sofá.

– O que o celular da Valentina tá fazendo aqui?

Amanda empalideceu e, mesmo solbressaltada, conseguiu pensar em uma resposta:

– Ela deve ter esquecido aqui. Deve ter estado aqui de manhã, talvez…

Júlia a olhou e perguntou:

– Tá tudo bem, filha? Tô te achando estranha… agitada… pálida!

– Eu? Tá tudo ótimo, mãe! A senhora tem cada coisa… – Amanda sorriu.

“Ai, meu Deus, incrível como mãe sente as coisas!”

– Que bom! Mas você sabe que se tiver com algum problema, pode conversar comigo, né, filha?

– Sei sim, mãe! Não se preocupe… Tá tudo bem!

– Tá. Pois vou indo…

O quarto de Rosa ficava separado do restante da casa. Praticamente, era uma pequena casa dentro da casa grande. E lá, Valentina esperava passar alguns minutos para poder voltar.

De repente, Rosa entrou no quarto e deu um grito ao encontrar a garota no escuro.

– Calma, Rosinha! Sou eu, Valentina! – a garota sussurrou.

A ex-babá suspirou fundo com a mão no peito e perguntou:

– Quer me matar de susto, menina? O que você tá fazendo aqui e, ainda mais, no escuro?

Então, Valentina explicou o acontecido e Rosa falou:

– Minha menina, vocês precisam tomar mais cuidado! Nem sempre eu vou tá aqui pra ajudar vocês!

– Eu sei, Rosinha! Vamos tomar mais cuidado sim! Pode deixar!

Valentina ficou ainda por alguns instantes com Rosa em seu quarto. Em seguida, saiu e andou, sorrateiramente, pela laterial da casa até entrar pela porta da frente.

Ela acabou encontrando seu pai, que saía do escritório.

– Oi, pai.

– Oi, minha filha. Onde você tava?

– Fui na casa do Leo.

– Vestida assim, Valentina? – apontou para a garota, que estava de chinelos, short jeans e camiseta.

– Que é que tem, pai?

– Esses jovens… – Agnelo sorriu balançando a cabeça negativamente. – Tô indo pro meu quarto… –  e saiu.

Ao ver o pai desaparecer da sua visão, Valentina foi até o home cinema e abriu a porta assustando Amanda, que se encontrava sentada no sofá com o olhar perdido.

– Desculpa, não quis te assustar… – ela sussurrou.

– Ai, meu Deus, eu não sei se vou aguentar isso, não, Valentina! – Amanda falou aflita.

– O que houve?

– Fico nervosa demais mentindo pra minha mãe… Você acabou esquecendo seu celular aqui… Aí, tive que mentir ainda mais… E fiquei tão agoniada, que ela perguntou se tava acontecendo alguma coisa, porque eu tava agitada e pálida… Por que, meu Deus, que a gente precisa mentir só porque tá apaixonada! Que mundo é esse?

Amanda falava rápido e baixo e passava as mãos pelo rosto e pelos cabelos, o que fez sua namorada segurá-la carinhosamente pelos braços e dizer com uma voz calma e tranquila:

– Calma, Amanda… Vai dar tudo certo! A gente tá dando esse tempo pra gente mesmo… Precisamos nos acostumar com tudo isso… Não mentiremos pra sempre… Um dia vamos ter que enfrentar a realidade…

– E você acha que isso me acalma?! Isso me deixa mais nervosa e aflita!  – sua voz estava embargada.

Valentina a abraçou e, beijando-lhe o topo da cabeça, falou:

– Eu sei, eu sei… Por isso, precisamos ir devagar… Ou você tá querendo dizer que não quer mais… namorar comigo? – sua voz parecia preocupada.

– Não é isso… – Amanda a olhou fixamente nos olhos. – Eu quero… Muito! Pode ter certeza! Mas não sei se sou forte o suficiente pra encarar tudo isso!

– Às vezes, Amanda, as pessoas não imaginam a força que tem dentro delas! Só descobrem quando enfrentam os problemas…

Amanda não falou mais nada. Ficou apenas abraçada a Valentina por mais alguns minutos até quebrar o silêncio:

– Agora você precisa ir… Já tivemos muita emoção por hoje…

– Tá… Dá só uma verificada se não tem ninguém lá fora…

Quando Amanda ia se dirigir até a porta, Valentina a puxou e lhe deu um beijo apaixonadamente quente, de lhe tirar o fôlego. Em seguida, ao se afastar do beijo, ela falou com um jeito sedutor:

– Isso é pra te fazer não querer esquecer de mim… E pra você saber como sou louca por ti!

A frase fez Amanda abrir um largo sorriso, fez seu coração pulsar mais forte e a fez ter mais coragem de continuar, mesmo às escondidas, namorando aquela garota que, já há algum tempo, a deixava feliz apenas com um simples troca de olhar ou um leve toque de mãos. E, definitivamente, ela não estava disposta a perder isso!

Então, Amanda a fitou com os olhos brilhantes. Depois, ela ficou nas pontas dos pés e, segurando o rosto de Valentina entre as mãos, falou antes de lhe dar um beijo apaixonado para extirpar qualquer dúvida que Valentina ainda pudesse ter em relação a ela querer continuar o namoro.

– Eu não quero te esquecer, porque eu sou louca por você também!

Comente! ;)