Search for content, post, videos

Por Inteiro Quando pra ser, foi preciso se permitir

Outro dia me peguei limitando meus pensamentos, senti medo de me permitir sentir a fundo o que significava ser Trans.

Mas logo pensei que se eu estava aqui, frequentando psicólogo, endócrino e me tornando mais “eu” a cada dia, eu deveria então me dar o crédito e perceber o quanto fui forte esse tempo todo, e ai me veio uma ideia na cabeça: Abrir meu primeiro texto sobre isso.

Admito que durante a leitura lenta eu chorei, gargalhei e sorri, quase como se fizesse isso pra mim mesmo, como o pai que sorri pro filho depois de ver o quanto ele cresceu, sabe?  

Chegando ao fim do meu primeiro desabafo, estava tentando dizer a mim mesmo que homem eu queria ser e sou, sem mesmo perceber, ali com palavras bobas e um vocabulário curto disse “E sonhar com o dia que acordarei homem, completo e que serei eu com alma e corpo, mente e coração. Poder ser um cara honesto, um bom pai, bom marido, bom amigo, bom filho, bom irmão, um homem bom. Trans. Completo e com a alma sorridente. Até ou até nunca.” 

Escrito sem data, como se fosse eterno o sofrimento de não ser “homem”, mal sabia que para ser homem não era necessário ter nascido naquele corpo e que era, sim, possível sem ter que “acordar homem”. 

Às vezes olhar pra trás e ver tudo que vivi, mesmo assim olhar pra frente e ter medo do futuro mas jamais recuar pois isso seria trair a mim mesmo. 

Eu me levanto então toda manhã, e antes de abrir os olhos pro espelho penso comigo: Mais um dia, Eduardo. 

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.