Menu fechado

O Amor, Simplesmente – Cap 119

O ano novo passou tranquilo na pequena cidade de Tati, Beta e Dani. Como todo ano, a prefeitura organizou uma comemoração na praça principal para todos verem a queima de fogos que acontecia na praia. As três meninas já tinham tudo acertado: iriam passar a virada do ano na praça com suas famílias e depois iriam encontrar Estella na praia. Dani ainda não estava feliz com aquela situação toda. Estava prestes a se mudar para uma nova vida ao lado de sua professora amada e até agora sua mãe não sabia de nada. Parecia tudo muito injusto.

– Mãe, você vai dar plantão hoje? – Dani perguntou logo cedo. Era dia 31 de dezembro.
– Vou sim, filha. Desculpe. Mas o que eles pagam em uma noite como essa, eu levaria uns dois meses para ganhar. – A mãe de Dani estava trabalhando muito mais do que o normal. Sabia que o próximo ano seria de gastos ainda maiores com sua menina indo para a cidade grande
– Não se desculpe, mãe. Eu sei que o motivo de você trabalhar tanto sou eu, né…
– Ei. Nunca mais fale assim. Eu só estou te oferecendo o melhor que posso e isso é dever de toda mãe. Um dia você vai entender…
– Mãe, como sabe que vou ter filhos um dia? – Dani achou que era um bom caminho para começar o assunto
– Eu não sei. Mas as mães gostam de imaginar que um dia serão avós!
– Mas e se eu não te der netos?
– Se isso te fizer feliz, vai me fazer feliz também!

Dani estava nervosa, mas precisava daquela conversa mais do que tudo. Estava nervosa com aquele segredo todo, respirou fundo e continuou sem parar.

– Mãe, mas e se eu não tiver um marido?
– Dani, quem disse que você precisa de um marido?
– Mãe, mas e seu eu tiver uma esposa? – Dani falou e não pode segurar uma tremedeira que começou em seus pés e fez com que o pano de prato em suas mãos caísse.
– Vem cá, filha.

A mãe de Dani a chamou para sentar na pequena mesa que tinham na cozinha. Elas estavam arrumando a comida para levar para a festa a noite. Apesar de ter que trabalhar, a mãe de Dani conseguiu que começasse o plantão por volta de uma da manhã, assim poderia passar a virada do ano abraçada a sua filha.

– Mãe, não se decepciona comigo, por favor.
– Minha filha, porque eu me decepcionaria com você?
– Mãe, eu tenho uma namorada.
– E essa namorada faz você feliz?
– Muito.
– Então está tudo bem. Não vou mentir e dizer que sempre imaginei esse caminho para você, mas sou realista o suficiente para perceber que tinha algo de diferente na sua relação com aquela menina, Di.
– Mãe, ela não é mais minha namorada… – Dani falou um pouco envergonhada
– Ah. Então já temos uma segunda. Tudo bem. E quem é ela?
– É a professora Estella.
– Dani. Professora? Voce está maluca minha filha? – Pelo visto a mãe de Dani não se importava tanto com o fato dela ser gay, mas namorar uma professora já era um pouco demais.
– Não é bem assim, mãe. Nós nos apaixonamos de verdade. Ela já até saiu lá do colégio.
– Ai, minha filha…isso cheira a confusão!
– Mãe, o que podia dar confusão já passou. Agora é vida nova, ano novo.

A conversa foi longa. Dani contou dos planos para o próximo ano, do apartamento e de todo mundo morando junto. A mãe de Dani ficou ainda mais tensa e disse que se preocupava muito por ela estar se envolvendo com uma mulher tão mais velha. Ela sabia que idade não era tudo em um relacionamento, mas Dani ainda era uma criança. Tão nova, tão ingênua e tão despreparada para a vida. Será que ela aguentaria? Mas admitiu, que nunca tinha visto sua filha tão feliz quanto agora. No final da conversa, falou para Dani o que tinha ouvido de sua mãe há tantos anos atrás:

– Nós não podemos impedir que nossos filhos sofram. Apenas temos que ampara-los nas quedas. Porque é justamente na queda, que eles aprendem.

As duas terminaram de fazer o arroz de lentilhas e de fritar os famosos bolinhos de bacalhau que a avó de Dani fazia. Eram os preferidos na festa do final de ano. A mãe de Dani colocou a roupa do hospital na bolsa, vestiu uma calça branca e uma blusa azul claro. Fez uma maquiagem leve e foi no quarto da filha a chamar. Dani estava especialmente linda. Estava com um short jeans branco e uma blusa vermelha, um pouco solta. A roupa não tinha nada de especial. Mas o brilho em seu olhar era como uma joia de preço inestimável. As duas se abraçaram e se permitiram algumas lágrimas antes de sairem para a praça.

De dentro do carro, Dani tomou uma decisão. Pegou o celular e mandou uma única mensagem no grupo que tinha com Beta, Tati e Estella: todas na praça antes da meia noite. Estella incluída.

Beta e Tati já estavam juntas e se entreolharam quando receberam a mensagem. D. Ana tinha preparado um pré jantar em sua casa e convidou os pais de Beta para o evento. A verdade é que elas morariam juntas no ano seguinte e D. Ana achou que seria seguro conhecer melhor a família daquela menina que já fazia parte de sua família. O jantar foi um sucesso. Seu Paulo e o pai de Beta compartilharam sua paixão por barcos e passaram hora conversando sobre o assunto. As mães trocaram algumas receitas e reclamaram de suas filhas, como sempre acontece em um encontro de mães. Logo após a mensagem de Dani, Beta e Tati chamaram os pais e seguiram todos para a praça.

– Oi, meninas! Feliz ano novo! – a mãe de Dani foi a primeira a avistar Beta e Tati
– Feliz ano novo, tia! – e as três se abraçaram com sinceridade

A mãe de Dani já tinha reservado duas mesas com várias cadeiras. As famílias se cumprimentaram, sentaram juntas e abriram uma garrafa de pro secco para brindar as boas novas. D. Ana parecia uma outra pessoa, era leve e simpática com todos e até mais carinhosa com seu Paulo. Os pais de Beta estavam começando a gostar da cidade pequena e sentiram pouca falta das festas extravagantes que frequentavam na cidade grande. Enquanto isso, Beta e Tati puxaram Dani de lado e a interrogaram sobre a tal mensagem.

– Contei tudo para a minha mãe e como ela não trabalha mais na escola mesmo, é a hora!

Dani mal tinha acabado a frase quando avistaram Estella caminhando do outro lado da praça. Ela estava com uma saia branca longa e uma blusa justa rosa. Se aproximou das meninas mantendo uma certa distancia e não pode deixar de apreciar sua namorada que estava tão linda naquela noite:

– Então quer dizer que você está pedindo por paixão este ano? – Estella brincou enquanto olhava a roupa de Dani
– E você está querendo amor? – Dani respondeu com a pergunta
– Acho que formamos uma boa dupla então! – Estella brincou enquanto se afastava um pouco para não gerar suspeitas
– Estella, você está preparada? – Beta falou enquanto se aproximava da professora
– Preparada para que?
– Para conhecer a mãe da sua namorada – Tati falou enquanto Dani sorria de orelha a orelha
– Que brincadeira é essa, meninas? – Estella falou um pouco tensa
– Você não trabalha mais na escola e nós estaremos bem longe daqui ano que vem, acho que nada mais nos impede, não é? – Dani falou já esticando a mão para a professora.
– Você tem certeza disso, Dani? – Estella era a mais nervosa na roda
– Ei, estamos com vocês. – Beta falou enquanto puxava a mão de Tati e abraçava Estella com a outra mão livre

As quatro andaram até a mesa que as famílias se encontravam. O papo devia estar indo muito bem por lá, porque estavam todos gargalhando e já terminando a segunda garrafa de pro secco.

– Familias, eu amo muito todos vocês aqui nessa mesa e por isso gostaria muito de apresentar uma pessoa muito especial pra mim. – Dani falou e todos ficaram calados esperando que ela terminasse.
– Essa aqui é a Estella, minha namorada.

Estella por um momento teve vontade de sair correndo. Lembrou de tudo que já tinha passado e achou que daria tudo super errado. Foi quando a mãe de Beta falou primeiro:

– Estella, espero que você goste de bolinho de bacalhau e pro secco, porque é o que mais temos aqui.

Estella riu, deu um oi para todos e disse que adorava bolinho de bacalhau. E aí foi a vez da mãe de Dani falar:

– Vem cá, tem uma cadeira livre aqui. Senta conosco.

Estella buscou o olhar de Dani e recebeu um sorriso de aprovação em troca. As duas seguiram para a cadeira vazia. Beta e Tati sentaram entre suas famílias e Dani buscou uma outra cadeira para ficar ao lado de Estella. Parece que estava indo tudo muito bem naquela mesa que cada vez aumentava mais.

A virada foi linda. Os fogos estavam especiais e coloridos. Todos se abraçaram. Beta e Tati entraram no novo ano com um beijo apaixonado e Dani pegou Estella de surpresa ao lhe dar um beijo assim que a contagem regressiva acabou.

Estouraram duas garrafas de pro secco e brindaram ao novo ano e as novidades que viriam pela frente. Não demorou muito e a mãe de Dani começou a se despedir de todos. Ela precisava chegar rápido no plantão. Deixou para falar com Dani e Estella por último:

– Estella, foi um prazer conhecer você. E obrigada por estar cuidando tão bem da minha filha. – a mãe de Dani falou enquanto segurava a mão livre de Estella
– Foi um prazer conhecer a senhora. E obrigada por permitir que eu continue cuidando dela. – Estella falou enquanto abraçava a sua, agora, sogra
– Juízo vocês duas, hein! – este foi o recado que a mãe deu para Dani
– Te amo, mãe!

Agora era hora das quatro irem para a praia e fazerem a virada do ano delas, como elas sempre imaginaram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Dúvidas? É só chamar aqui!