Search for content, post, videos

O Amor, Simplesmente – Cap 112

O domingo era de sol e as quatro andavam na beira da praia se desviando de outros casais e de famílias inteiras. Pareciam quatro amigas e cúmplices que trocavam carinhos e olhares sinceros enquanto faziam piadas e riam uma das outras.

– Estella, eu preciso falar uma coisa. – Tati puxou o assunto depois que atravessaram a rua em direção ao carro
– Vai dizer que estou aprovada como namorada da sua melhor amiga? – Estella brincou enquanto puxava Dani para mais perto
– Isso aí a gente nem tem mais dúvidas! – Beta se intrometeu no assunto e deixou claro a aprovação
– Acho bom mesmo, gente! Porque a Estella é minha professora gostosa! – Dani falou enquanto se jogava no pescoço de Estella
– Professora não. Aqui não. – Estella falou bem séria
– To brincando, gostosa – Dani respondeu enquanto selava seus lábios no de Estella fazendo todo mundo rir
– Vocês ainda não deixaram a Tati falar o que ela queria – Estella lembrou
– Obrigada, Estella! Só você me entende!

Tati começou a elaborar sua frase e como sempre cheia de piadas, demorou para chegar ao assunto principal e antes de começar a pergunta ou afirmação que ela pretendia fazer, foi interrompida por um grito e uma pessoa correndo em direção a Beta.

– Você está aqui e não me avisou nada, piranha? – era Di que as avistou de longe e correu para abraçar a amiga
– Caralho sua vaca, não pula assim que eu tô velha

Estella olhava sem entender muita coisa, mas reconheceu aquela menina, só não sabia direito da onde. Dani abaixou a cabeça e respirou fundo. Não sabia como iria lidar com a situação. A apreensão era tão clara que Tati saiu em defesa da amiga e puxou Di para dar um abraço antes que ela visse Estella de mão dadas com Dani. Di já tinha visto, logicamente.

Dani até pensou em soltar a mão de Estella, mas lembrou de como Di foi companheira e sincera com ela e preferiu não esconder nada. Respirou fundo. Olhou para Tati com uma expressão sincera e deixou claro que estava pronta para tudo. Tati então soltou Di, que na mesma hora olhou para Dani. Aquele olhar de quem já conhece muito mais do o sorriso da pessoa. Di caminhou até a menina e a abraçou com ternura, carinho e no silêncio sorriu sentindo seu cheiro. Estella percebeu, soltou a mão da menina e bem de leve deu um passo para trás, como se entendesse que naquele abraço existia um outro mundo.

Dani estava envolta nos braços tão conhecidos de Di. De olhos fechados, respirou o perfume forte da menina e sentiu seu estômago se revirar lembrando das noites de amor, da primeira vez delas e da honestidade e sinceridade que Di teve quando perceberam que a vida estava conspirando contra. Dani agradeceu pelo abraço, sussurrando no ouvido de Di e então apresentou Estella.

– Di, essa aqui é Estella, minha namorada – Tati e Beta arregalaram os olhos e por um momento sentiram medo.

Dani puxou a professora pela mão e não a soltou mais. Di cumprimentou Estella com um enorme sorriso no rosto, fez um carinho em Dani, abraçou e xingou mais uma vez Beta, falou com Tati e seguiu seu caminho. Ela disse que estava atrasada, mas que estava com saudade delas e que iria combinar com Má para fazerem novas festas. O clima tenso permaneceu no ar e ninguém sabia muito bem o que falar até chegarem no carro.

– Tati, você ainda não falou o que queria falar – Estella lembrou assim que girou a chave na ignição
– Eu só ia dizer que foi muito bom conhecer a Estella além da professora – Tati falou enquanto colocava a cabeça entre os dois bancos da frente
– Mas, preciso dar um recado para as três: temos que tomar muito cuidado. Na escola, sou professora de vocês – Estella falou com bastante calma na voz. Só como aviso mesmo.
– Adoro quando você manda assim, gostosa – Dani falou enquanto esticava a mão para a nuca da professora
– Pode deixar, professora! – Tati falou enquanto fazia um carinho sincero no ombro de Estella
– Cadê Beta? – Estella perguntou tentando procurá-la no retrovisor
– Já dormiu. Deve estar sonhando já! – Tati respondeu enquanto cutucava a namorada.

Tati decidiu ir deixando o sono a dominar também e se entregou ao descanso antes mesmo de pegarem a auto estrada. Estella e Dani continuaram acordadas rindo de bobeiras e cantando as músicas que tocavam baixinho no rádio do carro.

– Aquela é quem? – Estella perguntou em um momento de silêncio delas.

Dani sabia que ela estava falando de Di. Demorou um pouco para pensar na resposta, mas não fazia sentido falar alguma mentira neste momento.

– Aquela é a Di. Minha ex namorada.
– Achei que eu tinha sido sua primeira namorada
– Nós namoramos pouco tempo e sempre foi à distância. Você é a primeira que eu convivo todos os dias
– Ela ainda te ama.
– Deixa de besteira, amor.
– Não é besteira não! É só a verdade. Vi nos olhos dela.
– Nós terminamos um pouco antes da gente começar
– Uhm
– Na verdade, ela terminou comigo porque disse que eu estava muito envolvida com você
– Não entendi. Você estava com as duas ao mesmo tempo?
– Não! Eu já estava…digamos assim…impressionada com você e ela passou uma noite lá na cidade comigo e no dia seguinte, quando me deixou na escola, percebeu meus olhares para você…e, bom….terminou comigo.
– Então era ela com você aquele dia no estacionamento
– Viu como você também reparava em mim?
– O que você sente por ela?
– De verdade? Um carinho enorme e uma gratidão maior ainda
– Gratidão? Pelo que?
– Ela foi sincera, honesta e abriu meus olhos para perceber que eu estava completamente envolvida com você
– Então preciso agradecer a ela?
– Só se você quiser….
– Prefiro que ela continue longe…
– Isso tudo é ciúmes?
– Digamos que é precaução!

As duas riram alto e rapidamente se calaram com medo de acordarem o casal que estava entregue ao sono no banco de trás. Dani e Estella continuaram rindo, conversando e trocando carinhos na estrada. Dani ligou para sua mãe dizendo que dormiria na casa de Tati e que voltaria na segunda a tarde para casa. Precisou usar um pouco de charme de filha para convencer que iria passar mais uma noite fora, mas não foi muito difícil.

Estella deixou Tati e Beta a umas duas quadras da casa de Tati, para onde o casal iria e seguiu com Dani dentro do carro para casa. Estella já tinha prendido os cabelos e colocado o boné. Tinha medo de ser reconhecida dando carona para as três.

Apagaram os faróis e esperaram um pouco mais dentro do carro para garantir que não havia ninguém as espionando no entorno. Saíram então em silêncio e correram para casa. Agora, estavam a sós e Dani já pensava em como diria a Estella o tal beijo com Tati na noite na praia. Mesmo com tantas outras coisas acontecendo, achava essencial ser sincera. Devia isso a ela. Mas só depois do banho e do jantarzinho que estavam preparando.