Menu fechado

Meu querido diário – Becca & Vicky – Cap 58

No dia seguinte, foi à casa de Rebecca.

– Boa tarde!

– Eu acho que estou sonhando.

Abraçaram-se fortemente por vários minutos.

– Eu te amo, Vicky.

– Eu sai para dar uma volta, a vida no castelo é entediante.

– Eu te amo, Vicky. Você ouviu o que eu disse.

– Sim.

– Eu disse que eu te amo.

– Eu sei que você me ama.

– Nossa! Quanta pretensão. Típico de uma princesa mimada.

– Eu quero que se ame. Que se respeite. Aproveite todas as oportunidades. Porque como tu sempre dizes, se eu fracassar eu faço uma carinha triste e tudo se resolve.

– Eu me odeio.

Vicky lhe cobriu a boca.

– Não fale isto.

– Como você sempre diz maldito dezessete anos, (risos).

– Sua mãe pegou no seu pé?

– Minha família inteira.

– Aposto como fez o maior sucesso, foi a mais linda da festa.

– Seria se uma louca não tivesse atravessado meu caminho, completamente encharcada.

– Estou resfriada, com dor de cabeça, tossindo, estamos quites.

Vicky olhou Becca tocou seu rosto, beijou ardentemente sua boca e em segundo estavam se amando, intensidade compatível com todo tempo que tiveram distante. Fizeram amor como se fosse a ultima vez.

– Gosto de ouvi seu coração. Sempre me diz algo novo.

– O que ele diz agora?

– Que Vicky me ama e que sempre, sempre vai me perdoar.

– Coração generoso, devia te dizer para se manter na linha. Minha mãe está contando os segundos para me mandar para um colégio interno em outro país. Ela já ligou mil vezes desde que sair de casa.

– Eu estraguei tudo. Antes pelo menos tínhamos o final de semana. Você está decepcionada?

– Acho que detestei saber que ela estava certa. Eu não sou nada, nem escritora, nem poetisa, nem artista, nem ativista, não sou nada. Nefelibata minha melhor definição.

– Você tem mais qualidades do que defeitos. Eu sou um fracasso eu disse tantas vezes nestes últimos dias que sou alcoólatra, irresponsável e tudo que estava naquele maldito relatório. Que comecei a acreditar.

– Devia se afastar destes amigos.

– Você nem deu uma chance para o Apolo, antipatia instantânea. Ele é meu amigo, me mostrou um mundo diferente. Eu não quero falar mais disso. Deixa sua blusa comigo. Quero senti seu cheiro quando você não tiver aqui.

– Eu tenho que ir, senão uma viatura vem me buscar. Ou te buscar não entendi direito.

Vicky foi para casa. Rebecca adormeceu.

sig_egPimenta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Manda uma mensagem pra gente!