Search for content, post, videos

Filme americano – Cap 16

Nina ainda estava confusa. Seus sentimentos por Alexia eram fortes demais para serem ignorados. Todos os dias ruins, todos os problemas e o histórico conturbado não deixavam Nina entrar de cabeça naquele relacionamento mais uma vez. Mas ela também não conseguiu dizer um não definitivo. Prometeu a Alexia que iriam tentar recomeçar, com calma, sem pressa, sem cobranças e sem dias ruins. Pelo menos, essa foi a promessa de Alexia. Nina estava pagando para ver mais uma vez. Decidiu que não iria conversar com sua mãe por enquanto, ela não entenderia muito bem e ficaria preocupada demais.

Assim que chegou em casa depois do encontro com Alexia, Nina correu para o celular. Precisava contar para Beca o que tinha acontecido. Por sorte, a menina ja tinha voltado pra casa depois de sua saída com Joguí.

– E aí? – Beca não precisava mais falar “alô”
– Não sei…ela me pediu mais uma chance, disse que tinha mudado e que as coisas estavam diferentes agora
– E você acredita nela?
– Eu quero muito acreditar, mas não consigo mais…acho que vou deixar as coisas acontecerem, esperar o momento que vai dar errado e simplesmente pular fora de vez…pelo menos não vou poder dizer que não tentei
– Mas e quando der errado…e se você se machucar?
– Voce não me conhecia na época…não tem como eu me machucar mais do que já me machuquei, então, irei sobreviver…

O assunto não foi muito além. Beca não conseguia entender como uma pessoa como Nina se sujeitava a um relacionamento desses. Logo ela que era tão linda, tão decidida e forte…logo ela. O amor fazia essa coisa com as pessoas que Beca nunca poderia entender…será que as pessoas tinham que abrir mão do que elas eram para poder amar? Será que isso era amor? Então ela não devia amar Joguí…era tudo muito confuso em sua cabeça, deixou para pensar melhor na segunda de manhã.

Base para capítulos-filme

A porta do colégio estava cheia. Faltavam quinze minutos para as aulas começarem e os alunos começavam a se aglomerar enquanto enrolavam mais um pouco para entrar. Todo mundo adiava até o último minuto entrar na sala de aula. Beca estava conversando com as outras meninas do time sobre a rodada de futebol do fim de semana quando Nina se juntou ao grupo. De longe, Joguí acompanhava todos os movimentos da sua nova namorada. Ele sabia que Beca era diferente das outras e que precisaria do seu espaço, precisaria continuar sendo ela mesma. Ele ia ter paciência.

– Meninas, posso roubar a Beca rapidinho? – Nina perguntou na primeira brecha que tiveram no assunto

As gêmeas Juca e Juliana pegaram Carla pelo braço e a levaram até a entrada. Faltava muito pouco para a aula começar.

– Como você está? – Beca perguntou assim que estavam sozinhas
– Acho que estou bem…nada de novo aconteceu de ontem pra hoje
– Se precisar conversar, estou aqui tá?

Nina passou o braço pelo pescoço de Beca a puxou para perto e agradeceu sua amizade. Foram juntas em direção ao corredor das salas acompanhadas de longe por Joguí.

– Você sabe da Juca, não sabe? – Nina perguntou enquanto andava abraçada com Beca
– Sei o que?
– A Juca é gay também – Nina sussurrou no ouvido de Beca
– Jura? Sabia não…
– Juro. E pela cara que ela fez quando pedi para conversar com você ela deve estar achando que nós estamos juntas
– Nós? Juntas? – Beca perguntou incrédula
– Desculpa, eu não quis ofender… – Nina começou a se explicar com medo da reação da amiga
– Nem nos seus melhores sonhos, Nina. Sou muita areia para o seu caminhãozinho – Beca respondeu rindo da cara de preocupação da amiga
– Ai, sua ridícula. Vai ter troco, hein!

As duas se despediram e seguiram para suas respectivas salas. Beca estava entrando na sua na mesma hora que Joguí a alcançou na porta. A primeira aula era de Português, umas das preferidas da menina. O namorado parou ao seu lado e sorriu, como se estivesse tentando falar alguma coisa sem usar as palavras.

– Bom dia! – Beca falou um pouco sem graça
– Achei que não ia falar comigo…
– Desculpa, é que eu não quero que todo mundo fique sabendo…
– Tudo bem, eu estava só brincando mesmo
– Podemos conversar melhor no recreio, que tal?
– Na arquibancada, certo?
– Perfeito!

Os dois seguiram para seus lugares, que eram bem próximos, mas não tanto. Joguí ficava cercado por seus amigos na sala e Beca conversava com algumas meninas que sentavam a sua volta. Carla, do time de futebol, mudou de lugar e agora sentava ao lado de Beca, era a pessoa perfeita para discutir todas as aulas e falar de futebol nos intervalos. As duas agradecerem o fato de terem se aproximado, Carla também não era muito popular.

Na hora do intervalo, Joguí e Beca fizeram como combinado e sentaram na arquibancada em frente a quadra principal, que esta semana pertencia aos meninos, para ficarem juntos comendo e assistindo o pessoal jogar bola. De longe, Nina viu o casal junto e preferiu não atrapalhar, mas Carla e as gêmeas não tiveram a mesma noção e a puxaram para lá.

– Podemos sentar com vocês? – Carla perguntou assim que se aproximaram

Beca não se importava, mas sabia que Joguí poderia se importar. Nina ainda olhou com um cara de quem pede desculpas para os dois, mas recebeu em troca um sorriso amarelo de Beca e um enorme sorriso de Joguí que chamou todas para ficarem com eles. Ele usou o acúmulo de gente como desculpa para sentar ainda mais perto de Beca. Do outro lado da menina, Nina também se acomodou bem próximo e os três estavam tão grudados que pareciam ocupar o lugar de duas pessoas.

O assunto não poderia ser outro. Discutiram futebol durante todo o tempo. Joguí falava sobre o que ele achava do treino delas e como ele estava ajudando o técnico Negão a colocar elas em algum campeonato, mesmo que fosse pequeno. Elas quase choraram de tanta felicidade, mas tiveram que se conter porque tudo era segredo ainda.

– O que foi? – Beca percebeu quando Nina foi para um outro mundo enquanto olhava o celular
– É a Alexia… – Nina falou bem baixo
– Está tudo bem?
– Acho que sim, ela disse que vem me buscar aqui na saída
– Aqui? Na escola? Tem certeza?
– Eu não ligo pra isso não, é só que ainda não sei direito o que fazer
– Ei, deixa ela vir…um dia de cada vez, não é? E além do mais, minha melhor amiga costuma dizer que a gente só faz aquilo que tem vontade de verdade…pensa nisso…
– Hoje de manhã você era muita areia para o meu caminhãozinho e agora já sou melhor amiga…as coisas mudam rápido hein!
– Você nem faz ideia!!

As duas riram da brincadeira e voltaram para a conversa enquanto Nina virava seu corpo um pouco de lado, ainda grudada em Beca, e apoiava seu braço no andar de cima da arquibancada, de forma que parecia que ela estava colocando o braço nos ombros de Beca. Do outro lado, Joguí segurava a mão de Beca junto da sua. Ele tentava fazer da forma mais discreta possível, mas para as outras meninas do time era claro o que estava rolando. E na verdade, entre elas, Beca não ligava muito. Elas eram o time dela, era quase como uma família se formando.

– Meninas, pensei em uma cosia – Juliana falou interrompendo um assunto qualquer
– iiiii, essa aí quando pensa é complicado! – A irmã respondeu implicando
– É sério! Precisamos de mais gente pro time!
– Ela está certa! – Carla complementou
– Vocês precisam de mais uma pessoa pelo menos – Joguí falou
– Eu vou tentar resolver isso esta semana… – Nina decidiu e todo mundo apenas acatou a promessa…

Nina sabia de alguém que pudesse fazer parte do time, mas não saberia se esta pessoa poderia se dar bem com todo mundo. Camila, ou Cami, como era conhecida no colégio era uma atacante de pé cheio, mas era uma pessoa horrível para se conviver. Nina não queria chamar ela, mas pelo visto não teria muita opção.

 

E aí? Será que essa tal de Cami é problema na certa? E como será que Nina e Alexia vão ficar? O que estão achando da história? Comentem e façam uma autora feliz! \o/

 

 

Autora_mari Veiga

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.