Menu fechado

Em um quarto de hotel – Parte 3

Acharam que não teria mais nada? Aqui está a terceira parte do conto! E para quem não lembra dos primeiros, é só vir aqui e aqui.

Ela me ofereceu para ajudar com as malas. Foi a cantada mais genial que eu já tinha ouvido. Minha ex namorada costumava dizer que eu não dava sinal nenhum para as outras pessoas. Elas nunca saberiam seu eu estava apenas sendo legal ou flertando com elas. Acho que a Dani conseguiu perceber no meu olhar, ou então ela é super atirada mesmo e foi a minha sorte.

Fomos nos beijando durante todo o caminho do elevador. Ela já tinha feito o movimento mais difícil ao se convidar para o meu quarto. Eu comecei a falar sobre os meus sonhos e planos, eu sempre falo demais quando fico nervosa ou ansiosa, mas quando percebi que ela só olhava para os meus lábios e não escutava nada mais do que eu falava, dei um passo à frente a a beijei, mas foi justo na hora que chegamos. Eu saí rápido dali e a esperei no corredor.

Ela veio assim que se deu conta de que tínhamos chegado. Não andei e assim que o corpo dela encontrou o meu do lado de fora do elevador, nossas bocas pareciam feitas de imãs e não se desgrudaram. O beijo dela era envolvente, era como se ela quisesse puxar todo o meu ar e me tomar nos braços dela. Sua língua era grossa e desvendava os cantos da minha boca querendo experimentar todos os gostos que eu tinha. Nunca tinha beijado alguém daquela forma. Precisei a empurrar para recuperar o ar.

– Assim eu vou morrer sufocada – falei entre risos e com o olhar baixo
– Eu não deixaria – ela falou enquanto puxava meu rosto pelo queixo

Ela me deu um beijo rápido nos lábios, sem fechar os olhos e sorriu depois. Ainda com as pernas bambas e o coração celerado, senti minha calcinha molhar com aquele olhar de quem me queria por inteiro. Tentei me controlar e segui pelo corredor em direção a porta do quarto. Peguei o cartão perdido na bolsa, olhei o relógio, mas não consegui perceber que horas são. Abri a porta, coloquei o cartão para ligar a luz e foi a última coisa que lembro de ter feito por vontade própria. A partir daí, tudo parecia uma espécie de sonho ou desejo.

Base para capítulos-hotel3

– Ainda temos tempo – ela falou se referindo a minha olhada no relógio
– Eu sei que sim – eu respondi enquanto deixava a bolsa largada em algum canto
– Você tem algum compromisso hoje? – ela me perguntou enquanto me abraçava por trás e beijava meu pescoço
– Tenho um vôo – me esforcei para lembrar o que eu tinha que fazer
– Acho melhor você trocar sua passagem – ela sussurrou enquanto abria minha blusa social, ainda me pegando por trás
– Porque?
– Porque, a partir de agora, você é minha – ela me virou e me jogou na cama em uma velocidade que eu não conhecia

Eu não respondi nada sobre a passagem, não tinha forças e nem conseguiria formar uma frase inteira naquele momento. Ela ainda me olhou por alguns segundos. Eu estava com a blusa social aberta e a minha calça meio aberta. Os sapatos já tinham ficado na porta do quarto. Ela começou a abrir a blusa dela enquanto colocava seu joelho entre as minhas pernas na cama. Não pude resistir à pressão que senti e soltei um gemido baixo quando senti seu joelho pressionando minha calcinha já molhada.

Ela pareceu gostar do efeito e pressionou o joelho mais uma vez. Eu gemi um pouco mais alto e soltei os braços, onde eu estava apoiada, deitando de uma vez na cama. Ela já estava sem blusa e jogou seu corpo por cima do meu. Em alguns instantes, minha calça já tinha sido retirada e minha blusa social já aberta, estava do outro lado da cama. Minha calcinha enxergada estava sendo puxada pelas mãos anéis da Dani e meu sutiã era o único restante no meu corpo.

Ela soltou seus cachos, como se quisesse me deixar ainda mais hipnotizada, sorriu, me beijou querendo me deixar sem ar e me presenteou com dois dedos que pareciam se encaixar perfeitamente na anatomia do meu corpo. Gemi alto.

Autora_mari Veiga

Comente! ;)

Manda uma mensagem pra gente!