Menu fechado

Brincadeiras do destino – Cap 7

tumblr_mmwm2kkvIK1r11nw5o1_r1_500Carol, sempre acostumada a ter tudo que queria. Acho que isso derivava do fato de ser filha mais nova e as vezes um pouco mimada pelos pais. Mas o mimo que tinha não a deixava mais imatura nem nada, tinha na cabeça alguns sonhos que pareciam meio distantes, mas que serviam como objetivo de vida pra ela. Entre eles morar sozinha, casar (esse era bem secreto) e estudar fora do país.
Ela variava entre a rebelde sem causa irresponsável e a menina sonhadora que tinha o mundo todo pela frente para conquistar. E ela sabia que iria conquistar, e fazia questao de agir como se já tivesse conquistado uma boa parte dele.

Desde os 15 anos sentia atração por meninas mais velhas. Na faculdade de educação física era conhecida como a aluna que sempre se dava bem entre as professoras devido ao seu gosto por mulheres experientes, mesmo nunca tendo estado de fato com professora alguma, pelo menos não enquanto fazia parte da turma delas.

Seu primeiro amor, e sua primeira dor foram com 16 para 17 anos. Se apaixonou perdidamente por sua melhor amiga na época. Elas chegaram a ficar, Carol a pediu em namoro e por ela mudou sua vida. Estava disposta a fazer dar certo, nunca tinha sentido aquilo por ninguém, e nunca mais sentiria. Pelo menos até aqui, não. Fez planos e imaginou uma vida ao lado de Suzana, desenhou em árvores, escreveu na areia e fez tudo que sempre dizia achar meio brega.

Resolveu então contar para seus pais. No início foi meio estranho, era como se ninguém falasse do assunto com medo do que poderia acontecer, até que em um domingo de manhã, na sala de casa com seu pai e sua mãe ela decidiu que queria ouvir a opiniao deles. Foi um momento que ela nunca mais esqueceu. Mesmo eles não sendo 100% a favor a apoiaram na decisão de ser feliz e no fundo no fundo, gostavam muito de Suzana.

O namoro então deslanchou, viviam grudadas e todos os amigos adoravam aquele casal. 1 ano se passou e tudo estava perfeito. Só que os pais de Suzana não sabiam e descobriram depois de ver o computador que ela tinha deixado ligado no quarto.

1 semana depois Suzana estava de malas prontas indo para uma escola no interior do país, um internato. Prometeram amor eterno e manteriam contato, todos os dias, seria apenas um obstáculo no relacionamento das duas. Carol chorou copiosamente umas 3 noites seguidas, na quarta dormiu de exaustão. E como já era de se imaginar, Suzana não conseguiu manter o contato desejado, se afastaram e 1 mês depois Carol recebeu uma carta de 3 páginas onde Suzana dizia que nunca iria amar ninguém como amou Carol, mas que não poderiam continuar juntas.

Carol não teve forças para correr atrás de Suzana, até hoje, nos seus piores momentos pensa se ela fez pouco pelo relacionamento das duas. Hoje Suzana está noiva de um rapaz que conheceu, mas as poucas vezes que se encontraram ela disse a Carol que nunca mais amou ninguém como a amou, mas ela não teve coragem de encarar um relacionamento difícil como aquele. Carol então guardou com carinho aquele sentimento, fechou seu coração e seguiu em frente, para desespero de seus pais, que viram sua filhinha mais nova ir para o mundo curar a dor do primeiro amor em tantos outros bracos e corpos. E então se fez a Carol que conhecemos hoje.

1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Manda uma mensagem pra gente!