Search for content, post, videos

A revisão além da revisão – Vida de escritor

Na última semana nós acabamos a sequencia de dicas que eu usei para o Congresso Nacional Online de Literatura Queer e por isso, a partir de hoje, escreverei novos textos para seguirmos com essa coluna aqui no site. E se vocês querem saber de algo específico, podem vir falar que a gente faz post também! Vamos então falar de revisão?

Trabalhando com o GrupoHPM, eu acaba por ler muito material literário que mandam pra gente com o intuito de publicar. Aliás, continuem mandando, nós estamos abertíssimas para novas autoras. Bom, mas nessa função que acabo por ter, uma coisa me chamou muita atenção e foi a falta de revisão em alguns projetos.

Por muitas vezes, nós escrevemos páginas e páginas sem parar. Eu entendo como é a inspiração e como ela vem arrebatadora no meio da noite te tirando da cama e te levando para a frente do computador onde você poderia ficar até a manhã seguinte criando um livro inteiro em uma única noite. Não é assim? Eu sei que nem sempre, mas algumas vezes é! Eu acho lindo isso que acontece, esse “santo que baixa” e as palavras começam a surgir na sua frente de forma quase psicográfico. Mas não pode acabar aí. Depois que você dormiu e acordou no dia seguinte se sentindo até mais leve, é importante abrir aquele arquivo e reler tudo. Não só pela revisão ortográfica e de digitação, mas até mesmo de roteiro e enredo. Não há possibilidade das suas personagens morarem nos Estados Unidos, serem americanas e o prato preferido delas ser arroz e feijão. Não faz parte da cultura sabe? Ou até mesmo usarem expressões que se referem a locais no Brasil se elas moram em Nova York. Não estou dizendo que você precisa escrever em inglês, mas precisa haver uma coerência.

Além disso, muitas vezes acabamos por nos distrair e não seguir padrões necessários. Talvez a vizinha de cabelos brancos que aparece no primeiro capítulo se torna uma senhora morena no final. Ou aquele porteiro do prédio onde ela trabalha que sempre sorri de manhã, acaba por ser uma assistente que a recebe dia após dia. E olha, pode parecer absurdo o que estou falando, mas já cansei de pegar material onde até mesmo as personagens principais tinham inconsistência física durante o decorrer do livro. Isso só mostra o quanto a autora não se dedicou ao livro como deveria.

A revisão precisa acontecer sempre que possível. Se você é uma pessoa que escreve um capítulo por vez ou no máximo dois, eu diria para toda vez que você for começar a escrever algo novo, releia a última parte que você deixou para saber “de onde parou”, caso você escreva muitas páginas seguidamente, tire um tempo para reler todo o seu trabalho. Preste atenção nos detalhes que você colocou e nas constantes mudanças que proporcionou aos personagens. Não tenha medo de voltar ao início e talvez mudar algumas coisas. É melhor fazer isso agora do que depois descobrir que seu livro não faz muito sentido.

A revisão não inclui apenas gramática e roteiro, mas também é importante revisar a diagramação, o aspecto visual do seu texto. Lembre-se, depois do uso da vírgula você precisa dar um espaço. Após o ponto também. Cuidado com termos que usamos. Por exemplo, é errado falar “opção sexual”. Pesquise sobre termos médicos quando for escrever uma personagem que trabalha em um hospital ou pesquise o dia a dia de uma empresária caso seja este o caso. Se for falar de uma adoção no seu livro, pesquise o processo para não passar informações falsas. E por aí vai.

Se você sente dificuldades em revisar seu próprio texto, não consegue ter esse olhar de fora, não se sinta mal por isso. Há pessoas que fazem isso para vocês. Esse serviço pode ser pago ou grátis, o importante é você não desconsiderar essa parte do processo criativo.

Por hoje é isso e eu espero vocês aqui para falarmos mais sobre a vida de escritor! Caso tenham algum tema para sugerir, estamos prontíssimas para ouvir o que vocês querem saber!

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.